quinta-feira, 26 de maio de 2016

Papete no programa do Rolando Boldrin _ Senhor Brasil




 

Hoje este blog  terá apenas esta única postagem para matarmos a saudade; depois, seguiremos o resto do dia em silêncio.

O Maranhão e a sua mais completa tradução: Papete Viana

Papete Viana e o Tambor de Crioula
Papete Viana e o Tambor de Crioula

Peço a todos os Santos, Orixás e Voduns dessa enorme Encantaria que é o Maranhão para proteger e preservar os sons mágicos e envolventes de seus tambores e tambozeiros, especialmente a saúde do Amigo Papete Viana, para que ele continue a alegrar as nossas vidas com sua maviosa arte.
Em viagens pelas plagas maranhenses, no ano de 2015, tive a grande satisfação de conhecer e privar da amizade de um ilustre maranhense, uma lenda, um mito da Musica Popular Brasileira: o percussionista, compositor, cantor e pesquisador Papete Viana.
(Como bom maranhense, Papete tem como nome de pia José de Ribamar, mas ele alerta que termina por aí a coincidência com um conhecido homônimo conterrâneo…)
Papete dispensa apresentações. Eleito, nos anos 1980, o melhor percussionista do globo terrestre, ele é figura marcante no cenário cultural brasileiro. A sua produção artística começou a ser divulgada no legendário ‘selo “Discos Marcus Pereira” — um selo independente de música regional e música popular brasileira — e continua profícua ao longo de mais de quatro décadas.
O “Dicionário Cravo Alvim da Música Popular Brasileira” registra que Papete foi músico em shows de Toquinho e Vinicius de Moraes e, com o falecimento do ‘Poetinha Camarada’ continuou a acompanhar Toquinho em 482 shows, em turnê por 18 países.
Papete atuou em shows e gravações com Rosinha de Valença, Marília Medalha, Hermeto Pascoal, Osvaldinho da Cuíca, Benito de Paula, Inezita Barroso, Diana Pequeno, Renato Teixeira, Almir Sater, César Camargo Mariano, Rita Lee, Sadao Watanabe, Ângelo Branduardi, Andreas Wollenweider, Ornella Vanone e Alex Acuña.
Todavia, quero destacar aqui a dimensão humana desta celebridade: gentil, cortês, cativante, solícito e amigo.
Naqueles dias do sempiterno verão maranhense, conversamos sobre tudo, e Papete me deu uma iniciação básica do que é o Maranhão e a sua capital, esta grande e caliente urbe nordestina da qual ele é a sua mais completa tradução.
Papete é um bom gourmet, e ao saber que era nossa primeira incursão naquele rincão nordestino — este que vos escreve e, claro, a minha muito amada Cecília —  nos deu um minucioso roteiro gastronômico da rica e variada culinária lá da ‘Ilha do Amor’ — como uma amiga grávida e de bem com a vida denominou aquela encantadora Cidade.
Pois vamos lá. Provei do ‘Arroz de Cuxá’ após Papete recitar a receita do refogado. O refogado é uma das principais técnicas da culinária que os portugueses espalharam pelo mundo, durante o processo de colonização.
— Doure a cebola e depois coloque o tomate, o pimentão e o camarão seco. Deixe fritar por uns cinco minutos; adicione a vinagreira, que deve estar batida ou cortada na faca. Acrescente o leite de coco, o gergelim torrado e, por último, misture ao arroz já previamente cozido. Bom apetite!
Provado e aprovado.
Quando soube que visitaríamos o Santuário religioso de São José de Ribamar, Papete exclamou:
— Comam peixe-pedra!
O apetitoso pescado recebeu este nome porque costuma se esconder dos ardilosos pescadores no fundo do mar, por entre as locas e pedras das águas escuras do litoral daquela mística Cidade, guarnecida pelo ‘Santo de Botas’: São José do Arribamar.
E por falar em peixe, já que se trata de uma Ilha, o músico maranhense recomendou almoçar um apetitoso robalo no Restaurante de Dona Roxa no Mercado Municipal, Centro Histórico de São Luís… Dona Roxa já não se encontra neste mundo, encantou-se. Porém, fomos bem recebidos por sua filha e sucessora na arte culinária, Dona Roxinha — e netas.
Tem mais: de sobremesa sorvemos a Jussara… Não, Jussara não é uma jovem e graciosa “ludovicense” — estranho nome que se dá aos nativos de São Luís… Jussara é o sinônimo que se usa para a deliciosa fruta açaí…
Na Cidade Histórica de Alcântara, Papete recomendou:
— Não deixem de provar o “Doce de Espécies de Alcântara”.
Feito!
Em badalado e sofisticado restaurante praieiro de São Luís, já apreensivos de subir em balança de farmácia, comemos apetitosa ‘Carne de Sol de Carneiro’, ótima dica do célebre Amigo.
O melhor ainda estava por vir… e fomos lá. Os notívagos e boêmios “ludovicenses” costumam terminar a longa noite de folguedos fazendo refeição nos inúmeros trailers que se espalham pelas calçadas e praças de São Luís. Nestes botecos improvisados, famoso é o “Arroz de Papete” — cuja receita é um mistério guardado a sete chaves. Visite São Luís e conhecerás.
Livro-álbum “Os senhores cantadores, amos e poetas do bumba-meu-boi do Maranhão”
Nos últimos anos, Papete Viana esteve empenhado na realização de um extraordinário Projeto Cultural intitulado “Os senhores cantadores, amos e poetas do bumba-meu-boi do Maranhão”, voltado ao registro, resgate e preservação da memória da maior manifestação cultural do Maranhão através de seus personagens principais que dão titulo ao trabalho.
O Projeto se tornou uma das mais importantes missões da vida do artista: resgatar a vida e a obra desses anônimos cantadores. O trabalho de pesquisa resultou no livro-álbum “Os senhores cantadores, amos e poetas do bumba-meu-boi do Maranhão”, que possui fotos, textos de pesquisadores, um resumo sobre a obra dos cantadores de acordo com o sotaque e um glossário com termos usados na brincadeira, e vem acompanhado de DVDs com entrevistas dos cantadores e um CD com toadas que marcaram época.
O mítico e mágico universo da Encantaria do Maranhão
Nestes dias de longas conversações, o Amigo Papete Viana iniciou-me no mágico e místico universo da Encantaria Maranhense e as histórias do Tambor de Mina, com suas extraordinárias deidades e entidades da cultura e religiosidade europeia, africana e ameríndia.
No Maranhão circulam várias narrativas relacionadas ao mito do Navio Encantado de Dom Sebastião, que é visto pelos viajantes no local conhecido como Boqueirão, no Golfão Maranhense. Há também a lenda do Navio Encantado de Dom João, que era visto pelos frequentadores do antigo Terreiro do Egito (Tambor de Mina) no local próximo ao Porto do Itaqui em São Luís. Há igualmente o mito da Princesa Iná, filha do rei Dom Sebastião, que ficou revoltada quando seu Palácio, no fundo do mar, foi perturbado pela construção do Porto do Itaqui.
Papete narrou-me a surpreendente e misteriosa história de que, durante a construção do Porto do Itaqui, em São Luís, aconteceram diversos acidentes graves e alguns escafandristas morreram.
Pais-de-santo do Tambor de Mina divulgaram a notícia que o Porto era o local da Encantaria da Princesa Iná, filha do rei Dom Sebastião e que a Princesa estava revoltada, pois seu Palácio, no fundo do mar, fora perturbado pelas obras e por isso escafandristas estavam morrendo.
Para acalmar a ira da Princesa, aqueles religiosos prometeram oferecer sacrifícios e organizar uma grande festa, reunindo representantes de diversos terreiros na Praia do Boqueirão, próximo ao local. Foi o que ocorreu em 1970, com ampla repercussão na mídia e apoio de autoridades municipais — que foi muito divulgado na época.
Depois disso não ocorreram mais acidentes na construção do Porto. Entretanto, alguns pais-de-santo dizem que, de tempos em tempos, as oferendas precisam ser renovadas para evitar futuros problemas entre o mundo dos vivos e os vigilantes Encantados maranhenses…
Finalizando, eu peço a todos os Santos, Orixás e Voduns dessa enorme Encantaria que é o Maranhão para proteger e preservar os sons mágicos e envolventes de seus tambores e tambozeiros, especialmente a saúde do Amigo Papete Viana, para que ele continue a alegrar as nossas vidas com sua maviosa arte.
“Observar sempre, aprender com quem sabe mais, pesquisar sempre, conhecer a alma das pessoas humildes, entender o mar, apreciar as chapadas e traduzir as nuvens” (Papete Viana).

Calaram-se os tambores de São Luís, de Bacabal, do Maranhão e do mundo; morreu Papete

Morre o cantor e compositor maranhense Papete

Músico, que tinha 68 anos, lutava contra um câncer de próstata.

Ele estava internado em hospital de SP; quadro piorou nos últimos dias.

Do G1 MA

Papete morreu aos 68 anos, vítima de câncer de próstata (Foto: De Jesus/O Estado/Arquivo)Papete morreu aos 68 anos, vítima de câncer de próstata (Foto: De Jesus/O Estado/Arquivo)
Morreu na noite dessa quarta-feira (25) aos 68 anos o engenheiro ambiental, cantor e compositor José de Ribamar Viana, o ‘Papete’. Papete lutava contra um câncer de próstata, diagnosticado este ano. O músico estava internado em um hospital em São Paulo, e o quadro havia piorado nos últimos dias.
O corpo de Papete deve ser transferido para São Luís ainda nesta quinta-feira (26), onde será velado na Casa do Maranhão, região central da capital maranhense.
Pelas redes sociais, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) rendeu homenagens ao artista e destacou o trabalho de Papete. “Minhas homenagens ao querido cantor e compositor maranhense Papete, que nos legou uma grande e imortal obra”, escreveu.
A ex-governadora do Maranhão, Roseana Sarney, lamentou a perda do instrumentalista e reconheceu seu destacado trabalho pela cultura do Maranhão. “O Brasil perde um grande artista. Músico, percussionista de fama internacional, compositor e intérprete, nos deu grandes canções e tornou inesquecível a festa junina, especialmente aqui no Maranhão. Meu amigo pessoal, hoje é um dia de muita tristeza para mim e para todos que com ele conviveram. Que Deus conforte a família, os amigos, e que Papete siga em paz.”, disse.
Trajetória
Papete nasceu em Bacabal – a 240 km de distância da capital –, e é uma das principais referências do São João do Maranhão, com canções e composições que marcaram gerações, como ‘Bela Mocidade’, ‘Boi da Lua’ e ‘Coxinho’. Seu trabalho mais destacado é ‘Bandeira de Aço’.
Papete foi reconhecido um dos melhores percussionistas do mundo, nos anos de 1982, 1984 e 1987, quando participou do ‘Festival de Jazz de Montreux’, na Suíça.
Mais recentemente, o cantor e compositor lançou um trabalho, intitulado ‘Os Senhores Cantadores, Amos e Poetas do Bumba Meu Boi do Maranhão’, que resgata a história dos cantadores de bumba meu boi do Maranhão.
Relembre as últimas entrevistas de Papete à TV Mirante:
Papete fala sobre a pesquisa para o livro ‘Os Senhores Cantadores, Amos e Poetas do Bumba Meu boi do Maranhão’ (26/5/2015):
Instrumentalista apresenta show ‘Senhor José’, no Teatro Arthur Azevedo (26/9/2013):
Em entrevista ao JMTV 1ª Edição, cantor e percussionista falou sobre novo trabalho, o CD duplo “Sr. José de Ribamar e outras praias”, com canções inéditas, e onde regravou ‘Bandeira de Aço’ (11/6/2013):
O Teatro Arthur Azevedo abriu as portas para a comemoração dos 35 anos do lançamento do álbum ‘Bandeira de Aço’ (29/5/2013):
Projeto BR-135 faz show em homenagem aos 35 anos do álbum ‘Bandeira de Aço’ (28/5/2013):




Chora boi da lua...

terça-feira, 24 de maio de 2016

Guaraná Jesus não é santo mas faz milagre

Por que o Guaraná Jesus é um exemplo de pós-aquisição bem feita?

// Por: Eduardo Tomiya

 
O cor de rosa Guaraná Jesus chega aos mercados de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná
O cor de rosa Guaraná Jesus chega aos mercados de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná
Em 2001, o Guaraná Jesus foi adquirido pela Coca-Cola em uma operação financeira com poucos dados públicos sobre a mesma. Mas por que a marca era valiosa? No Maranhão, o refrigerante cor de rosa mantinha uma posição, com uma participação superior ao da bebida preta que é consumida nos quatros cantos do mundo – um feito inédito no Brasil, talvez no mundo.
A empresa, fundador por Norberto Jesus, buscava desenvolver um remédio e, de forma ocasional, criou um refrigerante. Apesar do nome, não há nenhuma associação religiosa. Meus amigos maranhenses conta que as mães batiam no liquidificador o Guaraná Jesus para que seus bebês pudessem beber o refrigerante. Se isso for verdade, o nível de familiaridade com o sabor de “Jesus” é gigantesco, pois os bebês o tomam desde a mais tenra idade.
Outro dia, em visita ao Maranhão, conversei com taxistas e motoristas do Uber, minha fonte de informação preferida, que a Companhia Maranhense de Refrigerantes, que produz o Guaraná Jesus, some com a bebida e tenta empurrar a Coca-Cola aos maranhenses.
Se gosto ou não, isto não interessa – mas eu gosto. O que interessa é que esta marca indiscutivelmente possui atributos muito fortes. De fato, é uma Love Brand e possui consumidores muito leais. Agora, ela está chegando aos consumidores de São Paulo, Rio de Janeiro Minas Gerais e Paraná.
Podemos fazer um livro sobre casos de fracassos em processos de pós-aquisição. Em alguns casos a fusão de culturas, muitas vezes, traz decisões que não aproveitam a marca adquirida. É uma lista imensa, mas um dos pontos importantes é que, em muitos casos, o consumidor tem uma lealdade muito grande às marcas locais.
Muitas vezes, a melhor decisão é manter a marca. A Diageo, por exemplo, adquiriu Ypioca e potencializou a marca. O Walmart do México adquiriu uma a Bodega Aurrera, a 14ª marca mais valiosas da América Latina, segundo o BrandZ, e não a matou.
Um dos segredos para ser bem-sucedido em uma aquisição é manter a proposta de valor atual e adicionar boas coisas da aquisição. Foi o que fez a Coca-Cola com o Guaraná Jesus.
Em 2008, a Coca-cola organizou uma campanha para que o povo maranhense escolhesse a nova identidade visual e as embalagens do Guaraná Jesus. Em 2010, este projeto ganhou o Prêmio Internacional de Excelencia e Design (IDEA), com muita criatividade.
A Coca-cola, detentora de sofisticados processos de construção de marcas, tinha um background excelente em processos de cocriação com consumidores e troxe isto para a marca Jesus em Maranhão. Mas fez isso respeitando o propósito da marca.
Ao final, conseguiu construir uma marca localmente ainda muito relevante e certamente com um valor agregado gigantesco e um valor bastante interessante.
A empresa com sede em Atlanta nos Estados Unidos utilizou o conceito do Glocal – Global e Local – buscando sempre o melhor para os consumidores. Muitas vezes, deixou de lado um pouco a vaidade do comprador, que, geralmente, quer impor sua marca.
A Coca-Cola aparentemente tem respeitado os valores das marcas que compra. Além do Guaraná Jesus, a empresa fez isso com os sucos Del Valle e a peruana Inca Kola.
Vale lembrar que a Coca-Cola por muito tempo foi a marca mais valiosa do mundo. Hoje, ela é dona de uma grande diversidade de marcas, como a Fanta. Mas, sem dúvida, mobilizou-se em um momento de tamanha ruptura e conseguiu buscar novas alternativas.

Fonte: Revista Exame

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Cantora e compositora Marina Lima, em rede social, desmente naturalidade piauiense



Não ficou bem claro o motivo pelo qual a cantora e compositora Marina Lima fez questão de esclarecer que ela não é piauiense; a sua assessoria apenas diz que é para desfazer esse boato publicado pela Wikipédia. O fato é que ela autorizou inclusive que postassem o seu Registro de Nascimento mostrando que ela nasceu mesmo foi no Rio de Janeiro.


Você poderá checar o desmentido no facebook da cantora AQUI

domingo, 22 de maio de 2016

Ausência do Maranhão é sentida no Destination Brazil Travel Mart


Evento que ocorreu esta semana em Porto de Galinhas (PE) e reuniu pelo menos 200 operadores de turismo das Américas do Sul, Norte e Europa, não teve a participação do Maranhão

Lenauro Mendonça, diretor da Abeta, falou sobre o turismo no Delta
Lenauro Mendonça, diretor da Abeta, falou sobre o turismo no Delta (Foto: Tom Cabral)
Thamirys D’Eça
Enviada especial*

Porto de Galinhas (PE) - O Maranhão é, sem dúvida, um dos estados com mais potencial turístico do Brasil. Dunas, cachoeiras, praias e chapadas são algumas das opções para quem visita o estado em qualquer época do ano. Entre os especialistas do setor, porém, as belezas naturais maranhenses estão cada vez mais inacessíveis ao público. O reflexo disso foi visto no Destination Brazil Travel Mart, evento que ocorreu esta semana no Porto de Galinhas (PE) e reuniu pelo menos 200 operadores de turismo da América do Sul, Norte e Europa.
O estado foi um dos poucos do Nordeste que não foi representado no Destination Brazil. De acordo com a assessoria do evento, o Governo do Maranhão chegou a iniciar negociações para montar um estande no local, mas acabou desistindo. Em contrapartida, Bahia, Piauí, Rio Grande do Norte, Alagoas, Ceará, Paraíba e Pernambuco saíram na frente e aproveitaram a visibilidade das rodas de negociações para mostrar aos operadores do setor o que cada estado possui para atrair turistas e investimentos na área.
A única menção ao estado no evento foi quanto a divulgação da Rota das Emoções, por também envolver os estados do Piauí e Ceará. O roteiro turístico inclui os Lençóis Maranhenses, o Delta do Parnaíba e Jericoacoara. Porém, para o diretor de mercado nacional da Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta), Lenauro Mendonça, "vender" apenas esta opção é ainda muito pouco haja vista as disponibilidades existentes no Maranhão.
"Falta empenho do Governo do Maranhão. É uma pena, pois é um estado cheio de ótimas opções turísticas. O governo precisa se mexer, pois só ele poderá fazer essa mudança. É preciso fazer uma campanha forte e é preciso haver uma mudança na Secretaria de Turismo do estado", criticou Mendonça.
Voos - Além disso, uma das dificuldades que o estado vem enfrentando é a redução do número de voos por parte das companhias aéreas. O Ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, que também esteve presente no Destination Brazil, reconheceu o problema no estado.
"As dificuldades das companhias aéreas estão fazendo com que elas reduzam o seu número de voos. A malha aérea é fundamental para a economia não apenas do Maranhão, mas para o Brasil como um todo. Então, pretendo dentro de alguns dias chamar as companhias aéreas para discutir o que pode ser feito. É preciso entender que se está desacreditado do turismo e, por isso, temos agir para fazer com que as empresas operem novamente", disse.
Segundo a pesquisa Sondagem do Consumidor, do Ministério do Turismo, entre os que desejam viajar nos próximos seis meses, 47,5% o farão para o Nordeste. De olho neste potencial, o MTUR já destinou R$ 4,1 bilhões em contratos de repasse de recursos para melhorias na infraestrutura turística da região.
MAIS
O Destination Brazil Travel Mart ocorreu nos dias 18 e 19 deste mês no Hotel Armação, em Porto de Galinhas, com a participação de 200 operadores internacionais e 120 fornecedores de todo o Brasil. Na programação, atividades para fomento a novos negócios e capacitação sobre o Nordeste.
O evento é uma realização da Associação dos Hotéis de Porto de Galinhas e do Porto de Galinhas Convention & Visitors Bureau. Entre os patrocinadores, estão o Governo de Pernambuco por meio da Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer de Pernambuco e Empresa de Turismo de Pernambuco Governador Eduardo Campos (Empetur); Prefeitura do Ipojuca; Prefeitura do Recife e as companhias aéreas TAP e GOL. Já os apoiadores do Destination Brazil são a Embratur, o Ministério do Turismo, o Governo Federal, o Sebrae e a ABIH.
ABRINDO O JOGO
Lenauro Mendonça, diretor de mercado nacional da Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta)
O Estado - Como tu avalias o mercado turístico no Maranhão?
Lenauro Mendonça - Algum tempo atrás o Maranhão vendia só a parte de Patrimônio Histórico de São Luís, o que era mais restrito, mas eu acho que depois da Rota das Emoções se tornou uma coisa internacionalmente. Falando como operador, a grande atuação do estado é os Lençóis Maranhenses como cartão postal.
O Estado - Mas tu acreditas que o estado tem potencial para investir e divulgar outros roteiros além dos Lençóis Maranhenses?
Lenauro Mendonça - Muita gente não conhece o Maranhão além de São Luís e os Lençóis. Tem de se investir nas reentrâncias, mas os operadores só pensam em fazer os passeios que rendam os ônibus cheios. Não pensam que existem duas formas de turismo: o turismo de massa e o turismo de qualidade, que dá retorno igual. Depende da forma que você promove isso. Quem vai para o Maranhão para fazer reentrâncias sozinho? Não vai, pois não tem formação, não tem uma agência que promova isso, não tem um pacote. O que ocorre no Maranhão é o poder público não conseguiu ainda colocar na cabeça do operador que vale a pena esse turismo qualitativo. A sorte é que veio um projeto de fora e criou a Rota das Emoções, o que dá uma parcela para o estado. Mas pensar somente nisso quebra um pouco a vontade de se investir em outros lugares dentro do estado. Investir somente na Rota é mais fácil e deixou todo mundo acomodado.
O Estado - O que deveria ser feito de imediato para impulsionar o turismo no Maranhão?
Lenauro Mendonça - O Governo do Estado chegar e dizer "gente, precisamos dividir o turismo". É preciso agir apostando no turismo fosse uma atividade de desenvolvimento mesmo, distribuição de renda. Não é só quem está nos Lençóis que tem de ganhar não. O cara que está lá no interior está sofrendo e precisa ter gente lá também e obrigar eles a fazer. Está ganhando na praia? Começa a promover algo no interior também ou então não desenvolve.
O Estado - Como operador, em qual outro ponto do Maranhão tu investirias?
Lenauro Mendonça - Carolina, por exemplo, é fantástico, mas o acesso é bem difícil. Além disso, não tem voos e que vai para Imperatriz, que é mais perto de lá do que São Luís, o preço é bem alto e o traslado ainda é caro também. É algo especial, mas teria de existir uma outra rota pelo interior para fazer Carolina andar. Tem de pensar também da competitividade de outros produtos. A Chapada Diamantina e a Chapada dos Veadeiros, por exemplo, são similares e o acesso é extremamente mais fácil do que Carolina. É uma situação muito difícil. Tem Alcântara é um bom destino, mas é um pouco abandonado e difícil de hotel. Quem quer dormir em Alcântara para explorar mais no dia seguinte não tem muitas opções e as que tem a maioria não são tão boas. Porém, nada disso é impossível. Falta força de vontade do governo. Tem de achar a maneira de promover isso.
* A jornalista viajou a convite do Destination Brazil
Sectur diz que não participou
do evento por motivos legais
A Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur) enviou nota informando que não participou da Destination Brazil Travel Mart por motivos legais. Explicou que nesta primeira edição, a feira está sendo organizada pela Associação de Hotéis de Porto de Galinhas e pelo Porto de Galinhas Convention & Visitors Bureau, sendo patrocinada pela Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer de Pernambuco, através da Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur).
“Por pendência de documentação, os organizadores do evento não estavam aptos a receber os recursos do Governo do Estado do Maranhão referentes ao evento, já que a mesma não apresentou o Alvará de Funcionamento de 2016 devidamente válido, apesar de solicitado pela Sectur. Dessa forma, tornou-se inviável a participação da Secretaria no referido evento, já que a apresentação do citado documento fiscal era uma das condições legais para a regular contratação da empresa organizadora do evento pela Administração Pública”, informou a nota.
A Sectur ressaltou que “reconhece a importância de participar de eventos que tenham o objetivo de dar visibilidade aos nossos destinos turísticos, desde que essa participação seja legalmente viável”.
Informou ainda que no primeiro semestre deste ano as potencialidades turísticas e culturais do Maranhão já foram apresentadas em dois grandes eventos do setor: a ITB Berlin, feira dedicada à indústria de turismo internacional, e na WTM Latin America, maior feira de Turismo da América Latina, realizada em São Paulo.
Ao longo deste mês, uma campanha em parceria com a Prefeitura de São Luís está sendo realizada junto a agentes de turismo de outros estados, com o objetivo de atrair mais turistas para a capital no período de festas juninas. O planejamento para o segundo semestre deste ano já contempla a participação em outros eventos.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Cunha ameaça Temer “Serei o fim do governo que nem começou”



Anthony Garotinho publicou, em seu blog, neste domingo(8) um texto sobre as ações de bastidores de Eduardo Cunha, após seu afastamento da presidência da Câmara. Segundo a publicação Cunha está com “faca nos dentes”.
Leia a publicação de Anthony Garotinho:
Ontem conversei por telefone com um deputado federal do PR amigo íntimo de Eduardo Cunha. Ele tinha estado com Cunha minutos antes em sua residência oficial. Fez algumas afirmações que são de arrepiar os cabelos. Talvez não seja próprio revelar todas, mas uma, com certeza, já deve ter chegado a Michel Temer. Eduardo Cunha disse em alto e bom som a seguinte frase:
“Se eu for abandonado não vou sozinho para o sacrifício. É bom que alguém diga a Michel (Temer) e a (Romero) Jucá que eu posso ser o início do fim de um governo que nem começou”.
Em certo momento da conversa ele deixou transparecer que, em sua opinião, o Supremo não tomaria a decisão que tomou sem uma sondagem prévia ao presidente do Senado, Renan Calheiros e ao próprio Michel Temer.
Cunha desconfia de traição embora Temer tenha sido um dos primeiros a ligar para ele assim que o ministro Teori Zavascki concedeu a liminar para suspender o mandato e afastá-lo da presidência da Câmara. Uma das afirmações que chamou a atenção do deputado do PR amigo de Eduardo Cunha foi a seguinte: “Não sou bobo”.
“Tem gente que manda matar e depois vai chorar no velório ao lado da viúva. Se estão pensando que vou aceitar solidariedade sem uma solução concreta estão enganados”.
Demonstrou ainda grande irritação com Leonardo Picciani, que resistiu, segundo informações que chegaram a ele, a assinar uma nota de solidariedade pelo momento que estava vivendo. Eduardo também reafirmava que não renunciaria chegando a dizer que seu substituto, o deputado Waldir Maranhão (PP-MA) é uma espécie de Severino Cavacanti (ex-presidente da Câmara) melhorado e que não duraria nem 15 dias no cargo.
Foram feitas outras afirmações que prefiro não revelar porque, afinal de contas, são quase que uma chantagem a ministros do STF a quem Eduardo Cunha afirma categoricamente que lhe devem muitos favores.
Como a fonte é altamente confiável é bom Michel Temer se preparar para dias nervosos, afinal Eduardo Cunha como amigo é um perigo, e como inimigo é mais perigoso ainda. Imaginem na situação de ex-amigo.
Eu não sei, por que sou casado com Rosinha há 34 anos e nunca tive outra esposa. Mas dizem que os piores estragos que podem ser feitos na vida de um homem são por ex-mulheres e ex-amigos.”, publicou Garotinho. Anthony Garotinho foi governador do Rio de Janeiro e candidato à presidência da república em 2002.
mudancadeparadigmas.com
Se você gostou, compartilhe essa maté

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Concurso INSS 2016: Divulgada a concorrência por vagas

Concurso INSS 2016: Divulgada a concorrência por vagas. Provas no dia 15 de maio!

5 de maio de 2016 às 19:05

 
 INSS O Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) divulgou nesta quinta-feira, 05 de maio, a demanda de candidatos por vaga do concurso para o Instituto Nacional do Seguro Social (Concurso INSS 2016).

CONFIRA A DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA AQUI
Para Técnico:
Para Imperatiz foram disponibilizadas 12 vagas os 8.031 inscritos (669,25 candidatos por vaga) 
Para São Luís foram disponibilizadas 21 vagas para os 25.688 inscritos ( 1.223,24 candidatos por vaga. 
 
Segundo o documento as gerências executivas com a maior demanda de candidatos por vaga para o cargo de Técnico do Seguro Social foram as do Rio de Janeiro-Norte/RJ com 24.950 candidatos por vaga, Porto Alegre/RS com 10.305 candidatos por vaga e Belo Horizonte/MG com 10.139 candidatos por vaga.
Já para o cargo de Analista do Seguro Social as gerências com maior demanda de candidatos por vaga foram as do Rio de Janeiro-Norte/RJ, Feira de Santana/BA e São Paulo-Centro/SP.
Os candidatos serão avaliados por meio de 120 questões objetivas, no dia 15 de maio, as provas de nível superior serão aplicadas às 8 horas, já as provas de nível médio serão aplicadas às 14 horas, ambas as provas terão duração de 3 horas e 30 minutos. A aplicação acontecerá no Distrito Federal e nas capitais de todos os 26 estados brasileiros, além de cidades do interior. Será considerado aprovado quem conseguir dez pontos em Conhecimentos Básicos, 21 em Conhecimentos Específicos e 36 na soma das duas provas.

A objetiva de técnico versará sobre Conhecimentos Básicos (Ética no Serviço Público, Regime Jurídico Único, Noções de Direito Constitucional, Noções de Direito Administrativo, Língua Portuguesa, Raciocínio Lógico e Noções de Informática) e Conhecimentos Específicos. Já os candidatos a analistas serão submetidos a uma prova sobre Língua Portuguesa, Raciocínio Lógico, Noções de Informática, Direito Constitucional, Direito Administrativo, Legislação Previdenciária, Legislação da Assistência Social, Saúde do Trabalhador e da Pessoa com Deficiência.
Primeiras nomeações em agosto – O diretor de Gestão de Pessoas do INSS, José Nunes Filho, garantiu que o Ministério do Planejamento está ciente da previsão da autarquia de convocar em agosto os classificados no concurso para 950 vagas, sendo 800 de técnico do seguro social (nível médio completo e remuneração de R$ 5.344,87) e 150 de analista do seguro social (para graduados em Serviço Social, com ganhos de R$ 7.954,09). 
O instituto conta atualmente com aproximadamente 40 mil servidores que prestam atendimento presencial aos quase quatro milhões de cidadãos que procuram as agências mensalmente. Além do atendimento presencial, o INSS atende, ainda, uma demanda de mais de seis milhões de ligações telefônicas mensais – quase 68 milhões por ano – por meio das centrais de tele atendimento.
De acordo com Nunes, o Planejamento respeitou o cronograma de contratações nos últimos concursos do INSS, e isso deverá ocorrer de novo, apesar do ajuste fiscal do governo federal. O diretor esclareceu que, no momento da autorização das vagas para a seleção, um cronograma de contratações é traçado, estando o Planejamento ciente da previsão de convocações dos aprovados em agosto.

João Gerude, santo de casa que faz muito mais que milagre, ele canta e encanta a todos

Entrevista para VIPADO
Capa_Joao_Gerude_Vipado-Res-7815
Exclusivo: Modelo, mister e cantor, João Gerude posa para Laércio Luz  
O maranhense João Gerude iniciou sua carreira como modelo bem cedo, aos 15 anos, quando começou a ser convidado para posar para editoriais de moda e riscar passarelas. “Fui intitulado ‘garoto da escola’ durante todo o ginásio e ensino médio. No ano passado fui chamado para participar de um concurso à nível nacional, o Mister Continente Brasil e levei o  título. Em abril deste ano representarei o Brasil no concurso Mister Handsome International, que acontecerá no Caribe.”, conta João para o Vipado.
Filho do cantor e compositor, Gerude, com a maranhense ex-seleção brasileira de Handebol, Maria Amélia, desde criança João pratica esportes e foi envolvido com a música. “No esporte pude conhecer vários cantos do Brasil jogando pela Seleção Estadual de Basquete. Parte da adolescência almejei ser atleta profissional, mas a musica falou mais alto.”, lembra o belo cantor.
João ainda nos contou que costumava compor antes mesmo de tocar instrumento. “Sempre amei escrever. Aos 10 anos comecei a tocar violão, e aí criar virou meu vício. Fiz diversas apresentações pela escola. Tive até banda de garagem no período escolar. Chegando à faculdade de Arquitetura, pude conciliar e começar uma carreira como cantor nas baladas de São Luís. Apesar da rotina de shows, vi que deveria passar a minha mensagem, através da minha música. Compor é sem dúvida o que mais amo fazer.”.
Encerrando a nossa conversa, João Gerude disse que a música é plena em seu coração e que seu maior sonho é dar voz ao seu trabalho autoral. “Quero poder ajudar a ensinar amor as pessoas através do meu gesto, a música. Acredito que todos possamos ensinar um pouco de amor em cada gesto.”.
Abaixo você se encanta ainda mais conferindo os cliques e o vídeo “voz e violão” de João Gerude!
Joao_Gerude_Vipado-Res-7666 Joao_Gerude_Vipado-Res-7681Joao_Gerude_Vipado-Res-7690Joao_Gerude_Vipado-Res-7705Joao_Gerude_Vipado-Res-7714Joao_Gerude_Vipado-Res-7749Joao_Gerude_Vipado-Res-7751Joao_Gerude_Vipado-Res-7898Joao_Gerude_Vipado-Res-7914Joao_Gerude_Vipado-Res-7931Joao_Gerude_Vipado-Res-7797Joao_Gerude_Vipado-Res-7778Joao_Gerude_Vipado-Res-7795Joao_Gerude_Vipado-Res-7815Joao_Gerude_Vipado-Res-7839
Fotos: Laércio Luz/Exclusivo
Compartilhar no:

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Alcione e Naomi Campbell na Vogue


alcione 

A cantora maranhense Alcione posou com a uber model britânica Naomi Campbell para a próxima edição da Vogue, em homenagem aos 41 anos da publicação no Brasil.
A revista deve chegar às bancas na sexta-feira (29).
Além de Alcione, Naomi dividiu o estúdio com mais 11 mulheres negras do Brasil que são destaque nas mais variadas áreas. Além de Alcione, a modelo clicou também com Maju Coutinho, Zica Assis e a ex-senadora Marina Silva.

Depois do Delta, agora o Piauí se beneficia de mais um paraíso maranhense, os Lençóis Maranhenses. Governo Flávio Dino deu aval

Recife terá voo da Azul para os Lençóis Maranhenses

Avião da Azul
Avião da Azul
A Azul Linhas Aéreas Brasileiras retomará voos em Parnaíba  a partir de 4 de junho, em uma ligação semanal – aos sábados – com o Recife. A aeronave que fará o trajeto é o jato Embraer 195, equipado com 118 assentos. A conectividade na capital pernambucana será um dos diferenciais na nova operação. O pedido da Azul já está em aprovação na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).
Voo pretende inserir a região definitivamente no mapa turístico do Brasil. Clientes de todo o país poderão usufruir do fantástico Delta e incrível beleza da região, com voos rápidos de jato e eficientes conexões em Recife. Nunca a cidade esteve tão conectada ao resto do país, o que confiamos terá enorme efeito para o turismo e negócios locais, e mesmo para os destinos vizinhos de Lençóis Maranhenses e Jericoacara no Ceará, que, junto com Parnaíba, fazem parte da Rota das Emoções.

Descobertos recifes na foz do Rio Amazonas, no norte do Maranhão


Cientistas descobriram um gigantesco ecossistema debaixo da pluma de água em lugar onde, teoricamente, esse tipo de ambiente não deveria existir

Sistema estende-se do norte do Maranhão até a Guiana Francesa
Sistema estende-se do norte do Maranhão até a Guiana Francesa (Foto: NASA Earth Observatory)
SÃO LUÍS - Cientistas brasileiros descobriram um gigantesco ecossistema recifal "escondido" debaixo da pluma de água barrenta do Rio Amazonas que se derrama sobre o oceano na costa norte do Brasil - um lugar onde, teoricamente, esse tipo de ambiente não deveria existir.

Alojado em águas profundas, de até 120 metros de profundidade, o sistema todo é maior do que a região metropolitana de São Paulo. Tem cerca de 9,5 mil quilômetros quadrados, estendendo-se do norte do Maranhão até a Guiana Francesa.

A descoberta, relatada ontem na revista Science Advances, foi confirmada em uma pesquisa realizada em 2014 com o navio Cruzeiro do Sul, da Marinha. Os cientistas suspeitavam que poderia haver recifes ocultos na foz do Amazonas, por causa de algumas coletas pontuais, feitas anteriormente por pesquisadores americanos, e da alta produtividade da pesca regional de lagosta, pargo e outras espécies marinhas naturalmente associadas a ecossistemas recifais.

Ainda assim, quando puxaram as primeiras redes de coleta para cima, não acreditaram no que viram: uma enorme abundância de esponjas coloridas, corais e rodolitos - nódulos calcários construídos por algas coralináceas, também presentes em outros ecossistemas recifais do Nordeste.

"Descobrir um sistema desse tamanho e com essa complexidade nos dias de hoje é um alerta sobre o nosso desconhecimento dos ecossistemas marinhos brasileiros", diz o pesquisador Rodrigo Leão Moura, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que liderou o estudo.

A maioria dos recifes está na faixa de 60 a 80 metros de profundidade, onde a quantidade de luz já é ínfima. Pior ainda quando se está debaixo da pluma de sedimentos do rio, que pode variar de 5 a 25 metros de espessura e se espalhar por até 2 milhões de km2, dependendo da época do ano.

Por causa dessa escassez de luz, a paisagem dos recifes é dominada por esponjas e algas duras (coralináceas), em vez dos tradicionais corais - que dependem da fotossíntese para sobreviver.

"É um ambiente muito mais complexo do que a gente imaginava", diz o biólogo Gilberto Amado Filho, do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Movimentação de carga cresce 23% no aeroporto de São Luís


Principais cargas movimentadas no terminal de logística durante o trimestre foram peças para manutenção de máquinas e equipamentos de termelétricas

Foto: Divulgação
Peças para manutenção de máquinas e equipamentos de geração de energia termelétrica importadas pelas empresas Gera Maranhão (Miranda do Norte) e Eneva (Santo Antonio dos Lopes e São Luís) foram os itens que mais contribuíram para o crescimento de 23% na movimentação do Terminal de Logística de Carga (Teca) do Aeroporto Internacional de São Luís/Marechal Cunha Machado, no primeiro trimestre do ano.
Segundo dados da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), de janeiro a março, o terminal recebeu 37 toneladas de carga, contra 30 toneladas movimentadas no mesmo período de 2015.
Além das peças para as usinas termelétricas, também foram movimentados pelo terminal outros produtos para manutenção de equipamentos e maquinário da indústria da mineração, peças e equipamentos da indústria naval, instrumentos cirúrgicos, medicamentos, equipamentos de pesquisa para universidades e cápsulas radioativas hospitalares.
O Teca de São Luís está localizado estrategicamente na entrada da capital,a uma distância de 20 km dos portos Itaqui e Ponta da Madeira, da Ferrovia Carajás e do Distrito Industrial, ponto-chave das indústrias exportadoras e importadoras.
O terminal representa um elo crucial na cadeia de transporte e armazenamento de São Luís, cobrindo a carência de Estações Aduaneiras Interiores (EADI) não portuárias na cidade. Com uma área total de 2.434 m² - seu espaço de armazenagem é de 873 m² -, a estrutura do Teca conta com três empilhadeiras, quatro paleteiras manuais, estantes porta-paletes de 8m de altura, uma câmara refrigerada de 16 m² com temperaturas ajustáveis, depósito de carga perigosa de 44 m² e uma área para carga e descarga de caminhões de 550 m².
O complexo é alfandegado, estando capacitado para operações de carga nacional, de importação e exportação. O Teca conta com a presença da Receita Federal, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro) e Polícia Federal.
Movimentações especiais
Com 41 anos de história, o Teca de São Luís recebeu operações especiais, como a movimentação, em 1980, de todos os equipamentos leves para a montagem das plantas de produção da mineradora Vale e também da produtora de alumínio Alcoa no Brasil, recebendo também os equipamentos leves para as ampliações das mesmas empresas entre 2005 e 2007.
Além disso, o complexo maranhense recebeu duas vezes o avião cargueiro russo Antonov 124, um dos maiores do mundo. A primeira foi em 2007, com o transporte de uma grande peça de rolamento-base de um guindaste para o porto da Vale. A segunda, em 2009.
Principais clientes
Entre os principais clientes do Teca de São Luís estão as empresas Gera Maranhão, Eneva, Alumar, Vale, Consórcio de Rebocadores São Marcos, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Fundação Sousândrade, Fundação Antônio Jorge Dino, Medfix e a Rádio e TV Difusora, com a movimentação de equipamentos eletrônicos.

Gol deixa de voar para Imperatriz a partir de 1º de maio

Gol, TAM e Azul reduzirão oferta de voos em maio

Aéreas se adequam à crise no setor e menor demanda

Ge

Céus nublados. Gol vai reduzir sua malha aérea em 180 voos diários a partir do dia 1º; TAM e Azul também farão ajustes até o fim do ano - Pedro Teixeira/ O Globo / Pedro Teixeira
BRASÍLIA - Atenção passageiros, a partir de 1º de maio, no próximo domingo, a oferta de voos no país vai cair ainda mais. Só a Gol cortará 180 voos diários, incluindo redução de frequências e suspensão de rotas. A empresa vai deixar de voar para quatro destinos domésticos (Imperatriz, Altamira, Ribeirão Preto e Bauru) e quatro internacionais (Miami, Orlando, Aruba e Caracas), além de adiar por tempo indeterminado o início do voo para Cuba.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Cunha mirou um alvo, acertou outro




Cunha mirou um alvo, acertou outro

Sem querer o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ofereceu ao Brasil uma grande oportunidade ao realizar a sessão de votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff em um domingo para o brasileiro acompanhar ao vivo.
Cunha mirou em um alvo. Queria que o Brasil parasse em frente à TV e, assim, constrangesse os parlamentares contrários ao impeachment a votar a favor da presidente. Difícil saber se esse alvo foi atingido. A julgar pelos discursos eloquentes de todos os que votaram no governo, parece que não houve constrangimento.
O presidente da Câmara, entretanto, acertou outro alvo. A sessão deste domingo (17) foi extremamente educativa. A transmissão ao vivo permitiu aos brasileiros conhecer melhor seus representantes no Parlamento. E o que viram não foi nada interessante.
As declarações de voto da imensa maioria dos deputados revelaram a baixa qualidade política dos nossos representantes e beiraram à bizarrice ou a uma ópera bufa. Houve declaração de voto pelo aniversário da neta, oferecimento à mulher, a pais e mães, a filhos, netos, tios, sobrinhos, todos citados nominalmente. Votos pela “família quadrangular”, pelos “fundamentos do cristianismo”, pelos princípios que ensinou à filha, a Deus etc. Teve cenas hilárias, como a do deputado que levou o filho para votar por ele. Cunha agiu rápido e o impediu. O voto do dito cujo era pelo impeachment e poderia ser anulado.
Todavia nem tudo foi piada. Houve momento de terror: o voto do deputado Jair Bolsonoro (PSC-RJ). “Eles perderam em 1964 e vão perder em 2016”, disse ele comparando o atual momento político brasileiro com a vitória do golpe militar. Disse que derrotaria “os comunistas” e prestou homenagem ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do DOI-CODI do II Exército, e um dos maiores representantes dos torturadores da ditadura militar.
A população espera mudança, acredita que o país viverá uma nova história a partir da aprovação do impeachment por 367 votos favoráveis, 137 contrários, 7 abstenções e 2 ausências. No entanto, não há como nos iludir. Assistindo aos discursos ficamos cara a cara com quem nos representa. Não sou ingênua, mas até eu que sou veterana em coberturas políticas me assustei com esse encontro, sem intermediário, com os deputados. A população, mais distante desses círculos, deve ter se assustado mais ainda.
Vimos parlamentes despreparados, sem formação política, sem treino para a oratória, que deveria ser uma das qualidades de um bom político. Muitos berraram, pois confundem contundência política com grosseria. Ouvimos falar muito do “baixo clero”, mas poucos sabem bem o que é baixo clero e seu tamanho. A sessão deste domingo confirmou que ele existe e que é bem maior do que poderíamos imaginar.
Então me pergunto: como eles conseguiram passar no “vestibular” da eleição se são tão incapacitados para o exercício da função parlamentar? Uma das respostas pode estar no financiamento das campanhas. Ressalvando as exceções de meia dúzia de parlamentares que se elegeram pelo conjunto de seus trabalhos, a maioria chegou lá graças a caríssimas campanhas eleitorais. Em 2014, ouvia-se no meio político que a eleição de um deputado federal não custaria menos de R$ 4 milhões. Óbvia a conclusão de que com dinheiro não é necessário ter preparo para o exercício da função. Basta ter ricos doadores. É como comprar o mandato.
Dilma Rousseff caiu na Câmara, e certamente cairá no Senado, mas essa mesma Câmara que conhecemos hoje continuará lá. Nós devemos um agradecimento especial ao Eduardo Cunha por ter nos possibilitado ficar face a face com os parlamentares que ele lidera. Tomara que essa exposição por seis longas horas pela TV contribua para que nós eleitores melhoremos a qualidade de nosso voto. Não podemos nos esquecer do aprendizado de hoje para qualificar a nossa escolha nas eleições. E já, na eleição de outubro.

Cileide Alves

Jornalista, especializada em política, e mestre em História pela Universidade Federal de Goiás. cileide.alves@gmail.com