terça-feira, 30 de setembro de 2014

Hidrovia dos rios Balsas e Parnaíba custará R$ 2,4 bi

Estimativa de investimento consta do Estudo de Viabilidade Técnico-Econômica e Ambiental, que foi encomendado no início do ano passado pelo Governo.

Foto: Divulgação/DNIT
Vista do Rio Balsas, no sul do Maranhão
Teresina - O Estudo de Viabilidade Técnico-Econômica e Ambiental
(Evtea) para implantação da Hidrovia do Parnaíba foi apresentado na última sexta-feira (26), durante seminário em Teresina (PI). De acordo com o jornal O Dia, a proposta é analisar a possibilidade de tornar os rios Parnaíba (divisa do Piauí com o Maranhão) e Balsas (no Maranhão) navegáveis, visando à formação de um corredor de 1.491 quilômetros, destinado principalmente ao escoamento de grãos agrícolas.
De acordo com estudo encomendado pelo Governo Federal, serão necessários R$ 2,4 bilhões para tornar viável a hidrovia do Rio Parnaíba, da região de Ribeiro Gonçalves até o Delta do Parnaíba. Mas devido ao alto valor do projeto a possível construção da hidrovia foi dividida em etapas.
O representante do consórcio Hidrotopo DZETA, responsável por realizar o estudo, afirma que na primeira etapa da obra serão investidos o valor de R$ 400 milhões. “Foi uma forma de tornar mais viável. Na primeira etapa, serão abrangidos os municípios que passam de Ribeiro Gonçalves a Teresina. O tempo da obra seria de até 5 anos”, explicou.
A elaboração do estudo de viabilidade da hidrovia conta com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), no valor de R$ 5.810.342,47.
O estudo foi realizado entre os anos de 2013 e 2014 e contemplou todas as cidades ribeirinhas ao rio Parnaíba e Balsas no Maranhão.
De acordo com o deputado Jesus Rodrigues (PT-PI), a hidrovia do Rio Parnaíba tornaria possível a construção do porto de Luís Correia. Depois desta primeira etapa a intenção seria chegar até o Delta. O escoamento da produção iria ocorrer por meio do porto. Por isso afirmo que a hidrovia deixa o porto viável devido essa necessidade”, comentou.
O superintendente da Administração das Hidrovias do Nordeste (AHINOR), Antonio Valente, é preciso que o estudo avalie os impactos ambientais. “Serão intervenções com dragas, sinalização e balizamento da via. Além do desenvolvimento econômico precisamos saber quais os impactos ambientais. O desenvolvimento deve está aliado as questões ambientais. Mas pelo estudo feito a hidrovia é viável”, disse.
A hidrovia do Rio Parnaíba se tornaria mais viável com a conclusão de obras como o Porto de Luís Correia e as quatro hidrelétricas previstas para serem concluídas no rio. Porém, os dois projetos se arrastam há anos e nunca saíram do papel.
“Se as hidrelétricas dos municípios de Ribeiro Gonçalves , Palmeiras, Floriano e Amarante fossem concluídas haveria o aumento do volume de água e a navegação seria facilitada”, comentou o deputado Jesus Rodrigues (PT-PI).

Números


5,8 Milhões de reais foram aplicados na realização do Estudo de Viabilidade Técnico-Econômica e Ambiental (Evtea) da hidrovia dos rios Parnaíba e Balsas.

1.491 Quilômetros de vias navegáveis é a proposta da hidrovia dos rios Parnaíba e Balsas.

Governadora inaugura Centro de Especialidades Médicas do Diamante

Localizada no prédio do antigo PAM Diamante, unidade de saúde terá consultas em mais de 20 áreas específicas e fará diagnósticos.

Jock Dean
Da equipe de O Estado
 
Foto: Biné Morais
Centro de de Especialidades Médicas e Diagnóstico
O Centro de Especialidades Médicas e Diagnóstico por Imagem do Diamante foi entregue à população de São Luís ontem, pela governadora Roseana Sarney. Na nova unidade de saúde, a população terá acesso a consultas em mais de 20 áreas, contando com o atendimento de 60 especialistas em dois turnos de trabalho. No local, também funcionará o Laboratório Central de Saúde Pública do Maranhão (Lacen), que, além de análises clínicas, prestará serviços de saúde pública com a Vigilância Sanitária e controle de endemias.
A governadora Roseana Sarney afirmou que a reabertura da unidade de saúde do Diamante é muito mais que uma reinauguração. Ela representa o avanço que o Maranhão tem registrado na área de saúde pública nos últimos anos. "Essa unidade de saúde foi planejada para ser um centro de especialidades e diagnósticos para aliviar a rede hospitalar de São Luís, que está cada vez melhor estruturada com e profissionais, serviços e equipamentos de ponta", afirmou.
Após descerrar as placas de inauguração do Centro de Especialidades Médicas e Diagnóstico por Imagem do Diamante e do Lacen, Roseana Sarney, acompanhada pelo secretário de Estado da Saúde em exercício, José Márcio Leite, funcionários da SES e outros secretários de Estado, visitou todas as instalações da unidade de saúde para conhecer as novas instalações e destacou a relevância social do centro. "Hoje devemos considerar a longevidade da população. Isso nos alerta para um investimento maior nas questões de saúde", ressaltou.

Instalações - Localizado no prédio do antigo PAM Diamante, no bairro Diamante, centro de São Luís, a unidade tem dois andares. No térreo, funcionam o setor de exames especializados, nove consultórios para atendimento ambulatorial e uma unidade de tratamento fora do domicílio (TFD). No andar
superior fica a nova sede do Lacen, responsável pelo diagnóstico laboratorial de média e alta complexidade, atendendo às vigilâncias Sanitária, Epidemiológica e Ambiental dos 217 municípios do estado.
Na manhã de ontem, já havia pacientes buscando atendimento na unidade de saúde, como o aposentado Raimundo Félix Oliveira, de 47 anos. Morador da cidade de Cantanhede (a 176 km de São Luís), que há 12 anos se trata de uma doença pulmonar. "Eu já fazia tratamento aqui antes de fechar para reforma. Sempre que venho a São Luís fico hospedado no Centro. Quando passei pela manhã e vi o PAM Diamante aberto, resolvi entrar para saber como está o funcionamento agora", afirmou.
De acordo com José Márcio Leite, 60% dos casos mais simples são resolvidos pela rede de atenção primária, mas em outras situações as equipes médicas suspeitam que o diagnóstico possa ser mais grave, o que será confirmado no Centro de Especialidades Médicas do Diamante. "Aqui é uma unidade ambulatorial, onde os pacientes em suspeição de diagnóstico terão confirmados ou não seu problema de saúde e, havendo necessidade de um procedimento de média ou alta complexidade, ele será encaminhado automaticamente para a unidade de saúde em que fará sua cirurgia", explicou.
Ainda conforme José Márcio Leite, a unidade de saúde funcionará com 20 médicos especialistas em três turnos, das 7h às 11h, das 11h às 15h e das 15h às 19h. "Inicialmente, atenderemos apenas nos dois primeiros turnos, mas ainda este ano estaremos com os três turnos funcionando", informou. Ele disse também que agora o paciente será acompanhado pelo Centro de Especialidades Médicas do Diamante.

Lacen - O Laboratório Central de Saúde Pública do Maranhão (Lacen) é outro serviço que melhorará o atendimento em saúde no estado. No local, será feito o controle de qualidade dos alimentos e a prevenção contra contaminação dos alimentos nos mais diversos processos, exames hematológicos, citológicos, imunológicos, exames biomoleculares e sorológicos para portadores do vírus HIV, auxiliando no tratamento oferecido no Hospital Presidente Vargas, na Jordoa.
O Lacen também fará exames malacológicos, identificando parasitas do corpo humano, e o controle de endemias, reforçando as vigilâncias Sanitária, Epidemiológica e Ambiental. "Hoje a eficiência na saúde pública tornou-se uma realidade. O Lacen é um retrato disso. Além de novos serviços, vamos contribuir para pesquisa e ensino nas áreas de saúde e bem-estar", disse o diretor geral do Lacen, José de Ribamar Oliveira Lima.

UPA será inaugurada hoje no bairro Vila Luizão


O Governo do Estado do Maranhão inaugura hoje mais uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 horas em São Luís, no bairro Vila Luizão. Com isso, aumenta para seis o número de UPAs na região metropolitana. A unidade vai oferecer à população atendimento de urgência e emergência nas especialidades de pediatria, clínica médica, ortopedia e odontologia.
Atualmente, cinco UPAs atendem a população de São Luís: Itaqui-Bacanga, Cidade Operária, Vinhais, Araçagi e Parque Vitória. Idealizadas pelo Governo Federal, as unidades funcionam 24 horas e são estruturas de complexidade intermediária entre as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e as portas de urgência hospitalares. O objetivo principal é ampliar a oferta de saúde e diminuir a alta demanda de pacientes nos pronto-socorros, já que a UPA poderá resolver grande parte das urgências e emergências, como hipertensão, febre alta, fraturas, cortes, infarto e derrame.
A governadora Roseana Sarney destacou que desde 2009, quando foi lançado o Programa Saúde é Vida, o estado passa por uma revolução na saúde. "Nós ampliamos para 1.130 o número de leitos no Maranhão. Estamos com a rede cada vez mais estruturada e recursos humanos cada vez mais capacitados. O governo realiza uma verdadeira revolução na saúde", afirmou.
No total, são 11 UPAs em todo o estado - seis na capital e cinco no interior - e 48 hospitais de 20 e 50 leitos em funcionamento em todo o Maranhão. Os recursos humanos também tiveram um avanço considerável, visto que, hoje, a equipe médica da capital é formada por 948 médicos, em 2009 eram 700 profissionais. No interior do estado, o número subiu de 230 para 707 médicos prestando atendimento em 58 unidades que integram o Programa Saúde é Vida.
Roseana Sarney informou ainda que foram entregues recentemente hospitais em Nova Iorque do Maranhão, São José do Paraíso e Bequimão. Somados as 11 UPAs, as 58 unidades do Saúde é Vida e os últimos três hospitais entregues, o governo totaliza 72 hospitais no estado. Outros cinco grandes estão em construção nas cidades de Pinheiro, Balsas, Imperatriz, Caxias e Chapadinha. Em Viana está em andamento a construção de uma unidade de saúde e os hospitais de Bacabal e Timon estão sendo reformados.

Saiba mais


Especialidades disponíveis no Centro de Especialidades Médicas e Diagnóstico por Imagem do Diamante: cardiologia, otorrinolaringologia, ortopedia, proctologia, dermatologia, gastroenterologia, neurologia, oftalmologia, cirurgia geral, ginecológica, toráxica, plástica e buco-maxilo e neurocirurgia.

Exames disponíveis no Centro de Especialidades Médicas e Diagnóstico por Imagem do Diamante: densitometria óssea, endoscopia, ecocardiograma, eletrocardiograma, holter, M.A.P.A., ecodopler vascular, teste ergométrico, urodinâmica, citoscopia e penioscopia.

Números


58 unidades de saúde do Programa Saúde é Vida foram construídas no Maranhão desde 2009
1.130 leitos foram entregues no estado desde 2009
218 médicos reforçaram a rede de atendimento hospitalar de São Luís desde 2009
477 médicos reforçaram a rede de atendimento hospitalar do Maranhão desde 2009

Prédio do INSS no Centro Histórico vai ser leiloado amanhã

Imóvel está fechado e as várias tentativas de reformá-lo não obtiveram êxito.

 
Foto: Fabrício Cunha
Edifício João Goulart
O Edifício João Goulart, onde funcionava a
gerência executiva do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em São Luís, localizado na Avenida Pedro II, será leiloado amanhã. A decisão de vender o prédio foi tomada após muitas tentativas frustradas de reformas do imóvel. Hoje o prédio, construído na década de 1960, está fechado e se deteriorando gradativamente pela ação do tempo e da falta de manutenção.
A licitação na modalidade leilão público para a alienação (cessão) do prédio será realizada às 10h na sede da gerência executiva do INSS, na Avenida dos Holandeses, onde ocorrerá a abertura das propostas dos interessados em participar do processo. O imóvel tem uma área de 6.053 metros quadrados e está avaliado em R$ 4.906.500,00. Os interessados em participar do leilão têm até hoje para se dirigir à Caixa Econômica Federal e depositar R$ 245.325,00, que corresponde a 5% do valor do edifício.

Leilão - De acordo com Cathianne Sousa de Araújo, analista de seguro social e responsável pelo patrimônio do INSS, as tentativas de reformar o prédio não obtiveram o êxito esperado. "Foram feitas várias licitações para reformar o prédio, mas foram frustradas. As empresas que ganharam abandonaram a obra. Então, decidimos fazer o leilão, pois não temos mais interesse no prédio", afirmou. Ela disse também que outros imóveis que são de propriedade do INSS serão leiloados e reformados.
O Edifício João Goulart foi um dos primeiros a ser inaugurados na capital maranhense e chamava atenção dos ludovicenses na década de 1960 por causa de sua estrutura singular. O prédio tem 13 andares, sendo dois subsolos e uma caixa de máquinas. Tapumes foram colocados em volta do prédio, sinalizando que seriam iniciadas reformas no imóvel, no entanto, muitos deles caíram com o passar do tempo. Além disso, a frente do edifício é usada como estacionamento para veículos.
De 1967 a 1977 o prédio abrigou a superintendência regional do Instituto Nacional de Previdência Social (INPS), criado a partir da fusão de cinco institutos de aposentadoria e pensão: IAPM, IAPB, IAPC,
IAPTEC, IAPFESP.
A partir de 1977, o imóvel foi utilizado como a sede da superintendência regional do antigo Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social
(Inamps), permanecendo assim até o ano de 1993, época em que fora providenciada a regularização de sua documentação dominial.

Reforma - Em 1996, foi realizada a primeira licitação visando à reforma e melhoria do João Goulart, da qual a empresa Presidente LTDA foi a vencedora, sendo posteriormente contratada para executar a obra. Contudo, após o descumprimento de cláusulas contratuais, a empresa abandonou os serviços antes do término, o que levou o INSS a rescindir unilateralmente o contrato. No ano de 2002, foi aberto um processo licitatório, mas a única empresa interessada em participar foi inabilitada.
Em agosto de 2008 foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) a abertura de uma nova concorrência pública para a contratação de uma empresa para realizar a reforma do prédio, serviço esse que na época estava orçado em R$ 5.401.962,99. Nesse processo, a empresa El Berite Construções e Empreendimentos LTDA foi a vencedora e deveria executar a obra em um prazo de 540 dias.
Porém, a empresa passou a atrasar a execução dos serviços e ainda paralisou injustificadamente a obra, descumprindo o cronograma físico-financeiro que havia sido estabelecido. Além disso, a empresa também atrasou a expedição do Alvará de Reforma e Ampliação da obra e descumpriu várias obrigações contratuais, dando ensejo a aplicação de penalidades.
Em fevereiro de 2010, a gerência executiva do INSS rescindiu unilateralmente o contrato, aplicando multa à El Berite Construções e Empreendimentos LTDA e penalizando-a também com a suspensão do direito de participar de licitações feitas pelo órgão. No mês seguinte, a empresa entrou na Justiça Federal, propondo uma Ação Ordinária de Rescisão Contratual com Indenização por Danos Materiais e Morais, e ainda impetrou um mandado de segurança com pedido de liminar contra o ato da gerência do INSS, o qual foi julgado extinto sem julgamento de mérito.
Após todos esses processos judiciais, por duas vezes foram realizadas tentativas para licitar a conclusão da obra - em 2010 e 2011 -, porém elas foram infrutíferas. Por causa disso, foram solicitadas à Diretoria de Orçamento, Finanças e Logística
(DIORFL), à Divisão de Patrimônio Imobiliário (Dipai) e à presidência do INSS a autorização para a alienação do imóvel e a sua inclusão no Plano Nacional de Desmobilização.

Ação - Em abril deste ano, o Ministério Público Federal no Maranhão (MPF/MA) conseguiu na Justiça Federal liminar favorável à restauração, recuperação e conservação integral do Edifício João Goulart. A ação civil pública ajuizada pelo MPF/MA contra o INSS objetivava o reconhecimento da responsabilidade civil pelo estado de abandono em que hoje se encontra o imóvel.
De acordo com a liminar, no prazo de 180 dias deveriam ser retomadas intervenções de caráter urgente no edifício, mediante a execução de serviços conforme projeto previamente aprovado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Além disso, o INSS deveria apresentar um cronograma de execução das obras para acompanhamento dos prazos.

Números

6.053 metros quadrados é a área do edifício
R$ 4.906.500,00 é o valor do prédio

Delta do Parnaíba ou Delta das Américas, tanto faz, o que importa é que é lindo e é 70% nosso.

No litoral nordeste do estado, na divisa do Maranhão com o Piauí, está o único delta em mar aberto das Américas e terceiro maior delta oceânico do mundo, formado pelo rio Parnaíba e seus afluentes em seu caminho em direção ao mar. Fenômeno ...raro da natureza e que tem 70% de sua área em terras maranhenses, o lugar é um verdadeiro santuário ecológico. Entre os destaques do Polo Delta das Américas estão as ilhas Canárias e do Caju e as praias do portal das Melancieiras, isso sem falar nas florestas de manguezais de diferentes espécies, dezenas de ilhas, ilhotas, restingas, caatingas litorâneas, povoados ribeirinhos e carnaubais que tornam a viagem inesquecível.  Ver mais

Foto: No litoral nordeste do estado, na divisa do Maranhão com o Piauí, está o único delta em mar aberto das Américas e terceiro maior delta oceânico do mundo, formado pelo rio Parnaíba e seus afluentes em seu caminho em direção ao mar. Fenômeno raro da natureza e que tem 70% de sua área em terras maranhenses, o lugar é um verdadeiro santuário ecológico. Entre os destaques do Polo Delta das Américas estão as ilhas Canárias e do Caju e as praias do portal das Melancieiras, isso sem falar nas florestas de manguezais de diferentes espécies, dezenas de ilhas, ilhotas, restingas, caatingas litorâneas, povoados ribeirinhos e carnaubais que tornam a viagem inesquecível. #PoloDeltadasAméricas #TurismoMA #GovernoMA


 

Avenida IV Centenário ficou só pra novembro de 201... se não houver mais imprevistos

Obras na Avenida IV Centenário seguem em ritmo acelerado em SL

Via deve ser entregue no fim de novembro; A avenida contribuirá para melhorar a mobilidade urbana na capital.
 
Foto: Fabrício Cunha
Operários trabalham em ritmo acelerado
As obras da Avenida IV Centenário, em São Luís, seguem em ritmo acelerado, com mais de 95% dos serviços concluídos, e a previsão de que seja entregue à população no fim de novembro. Com o término dos serviços, a avenida contribuirá para melhorar a mobilidade urbana na capital maranhense.
A obra está sendo executada pelo Governo do Estado por meio da Secretaria Estadual de Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid). A previsão era que os serviços fossem concluídos no fim deste mês. Contudo, houve atrasos na execução de algumas etapas, e o prazo de término foi estendido para o fim de novembro.

Serviços - Atualmente, estão sendo realizados os serviços de concretagem do elevado que forma a avenida, em um trecho de aproximadamente 80 metros. Após o término dessa atividade, será possibilitada a livre passagem ao longo da via, o que facilitará o trânsito de caminhões, carretas, tratores e outros veículos pesados que estão trabalhando na obra.
Essa atividade faz parte da chamada obra de arte especial. Após essa etapa, serão realizadas as obras de arte comum ou corrente, que incluem a drenagem superficial, a pavimentação, iluminação e a colocação dos guarda rodas (muretas de proteção) ao longo da avenida e também em parte do viaduto que se liga com a dos Franceses.
Aproximadamente 150 operários estão trabalhando diuturnamente na execução da obra. Anteriormente, os funcionários estavam trabalhando para a conclusão dos encaixes do viaduto na Avenida dos Franceses. No local, foi retirado parte do canteiro central da avenida para dar lugar ao encaixe do viaduto. Além disso, a estrutura recebeu serviços de pavimentação.

Obra - A construção da Avenida IV Centenário faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Rio Anil e está orçada em R$ 31 milhões. A nova via da capital maranhense começa na Avenida Camboa, estendendo-se até a dos Franceses. A obra tem aterro hidráulico, um elevado de 1.090 metros de extensão e cinco encaixes: um na Avenida dos Franceses, outro na Camboa, dois na Liberdade e um na Fé em Deus.
O novo corredor rodoviário, que desafogará o trânsito das avenidas Luiz Rocha e Getúlio Vargas, criando mais uma alternativa de acesso à Beira-Mar e à Ponte Bandeira Tribuzi, tem 3,8 quilômetros de extensão e duas pistas divididas em duas faixas de rolamento, travessia de pedestres nos dois lados da avenida e ciclovia. Além dos encaixes, há um trecho em aterro hidráulico e outro de 1.090,00 metros em elevado e pontes.
Além da avenida, o PAC-Rio Anil abrange obras de saneamento básico, urbanização, habitação de interesse social, regularização fundiária e acompanhamento social das famílias beneficiadas. O projeto prevê a construção de 2.720 unidades habitacionais, melhoria de 7.500 residências nos bairros Camboa, Liberdade, Fé em Deus, Monte Castelo, Alemanha, Ivar Saldanha e Vila Palmeira. Já foram entregues 520 unidades, beneficiando famílias que foram removidas das palafitas.
O projeto também envolve o trabalho de regularização fundiária nos bairros Camboa, Liberdade, Fé em Deus e Vila Cristalina. Serão beneficiadas cerca de 10 mil famílias, uma média de 60 mil pessoas. O projeto prevê a construção de equipamentos urbanos como praças, quadras esportivas, creches e postos policiais e de saúde.

Mais


No fim do ano passado, a empresa Egesa, alegando dificuldades financeiras, decretou falência e deixou de executar as obras da Avenida Quarto Centenário, o que trouxe atraso no cronograma de atividades. Um novo processo licitatório foi feito. A empresa PG Mineração e Engenharia LTDA foi a vencedora e reiniciou as atividades em março deste ano.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Maranhão reduz quase 50% da pobreza extrema, afirma MDS

A redução resulta da parceria em programas como Brasil Carinhoso. O Estado também diminuiu em 70% o número de crianças que se encontravam na pobreza extrema.
Foto: Prefeitura de Lago da Pedra-Maranhão
Foto: Prefeitura de Lago da Pedra-Maranhão
SÃO LUÍS - O Maranhão reduziu em 48% o percentual da população que ainda vivia na pobreza extrema. A informação é do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). De acordo com a pasta, a redução resulta da parceria em programas como Brasil Carinhoso, lançado em maio deste ano pelo governo federal. A ação também fez com que o Estado reduzisse em 70% o número de crianças que se encontravam vivendo em pobreza extrema.
Segundo a governadora Roseana Sarney outras ações devem diminuir ainda mais os índices de pobreza no Estado. Um exemplo é o Programa Viva Oportunidades, inspirado no Plano Brasil Sem Miséria. Lançado na última quinta-feira (13), o programa terá investimento de R$ 15,9 bilhões com a meta de retirar 1 milhão de pessoas da pobreza extrema.
O Viva Oportunidades terá ações voltadas à inclusão social e produtiva, por intermédio de capacitação, acesso ao crédito e transferência de renda para os que vivem em situação de extrema pobreza no Maranhão. A meta é que o programa contribua para a geração de 20 mil empregos para jovens e adultos e para a criação de 80 mil negócios familiares, beneficiando 326 mil pessoas com a qualificação profissional e o acesso ao crédito bancário, especialmente o microcrédito produtivo urbano.
Bons resultados
No Maranhão, em um ano, o programa Brasil Sem Miséria promoveu a inclusão de 38,9 mil famílias no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal – de 687 mil em todo o país – localizadas por meio da busca ativa. No mesmo período, foram feitos 101,5 mil atendimentos na área rural – de 1 milhão em todo o País – beneficiando membros de 25,3 mil famílias em extrema pobreza que vivem no campo.
Outro destaque do Brasil Sem Miséria no Estado foi a inscrição de 8,7 mil vagas no Programa Nacional de Acesso Técnico e Emprego (Pronatec) – cerca de 7% do total nacional. Das 20 cidades com melhor desempenho no Pronatec em todo o  País, duas estão no Maranhão.

Leia também:

2,3 milhões de maranhenses saíram da pobreza extrema

Maranhão foi um dos estados brasileiros que mais se destacaram no combate à pobreza, segundo relatório.
Jock Dean
Da equipe de O Estado
 

Foto: Divulgação
Tereza Campello
 
O Brasil saiu do Mapa Mundial da Fome este ano, segundo relatório global da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), divulgado no dia 16 deste mês, em Roma, na Itália. A redução da pobreza extrema foi um dos fatores essenciais para que o Brasil superasse a fome estrutural. O Maranhão foi um dos estados brasileiros que mais se destacaram nessa área, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Nos últimos anos, 2,3 milhões de maranhenses saíram da pobreza extrema. O Maranhão reduziu de 20% para 8% o total da população abaixo da linha da pobreza.
O Relatório de Insegurança Alimentar no Mundo de 2014 apontou que de 2002 a 2013 caiu em 82% a população de brasileiros considerados em situação de subalimentação. Se contado desde 1990, esse índice é de 84,7%. Atualmente, apenas 1,7% da população brasileira está em situação de insegurança alimentar. Em 1990, o índice era de 14,8%. Esta é a primeira vez, em 50 anos de divulgação do relatório, que o Brasil fica de fora do chamado Mapa Mundial da Fome.
Segundo a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, a fome estrutural no Brasil evidenciava, sobretudo a dificuldade de acesso à renda por parte do brasileiro e tinha como uma das consequências o não acesso à alimentação. “O Brasil sempre foi um dos maiores produtores mundiais de alimentos, então, o nosso problema não era a falta de alimentos, mas a dificuldade da população de adquiri-los e isso ocorria porque não havia uma decisão política do governo de combater a fome”, afirmou.
O relatório da FAO destacou o Brasil como exemplo mundial no combate à fome. Em um quadro especial do documento foram frisadas as medidas tomadas pelo país para superar o problema. “A FAO destacou o conjunto de políticas adotadas pelo Brasil para combater a fome, sobretudo o aumento do acesso à renda, o programa da merenda escolar e o Programa Bolsa Família”, informou Tereza Campello.

Maranhão – Essas políticas surtiram efeito, sobretudo nas regiões Norte e Nordeste do país, onde havia o maior número de famílias na pobreza extrema. O Maranhão tem hoje 988 mil famílias beneficiárias do Bolsa Família, o que garantiu a saída de 2,3 milhões de famílias da extrema pobreza nos último anos. A criação, desde 2011, de 69 mil postos de trabalho com carteira assinada no estado também garantiram o aumento da renda dos maranhenses e o maior acesso à alimentação de qualidade.
O Maranhão é o segundo estado do Nordeste em número de famílias beneficiadas pelo Bolsa Família - o primeiro é a Bahia. O secretário de Estado do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, Fernando Fialho, explicou para garantir o maior número de beneficiários do programa foi preciso tomar uma série de medidas específicas. “O Maranhão tem uma Coordenação Estadual do Bolsa Família que promove capacitação dos técnicos dos municípios para atender as famílias com o perfil do programa. Além disso, nós demos atenção especial às áreas do estado com o maior número de famílias carentes”, disse.

Aumento da renda - Com o Bolsa Família, aumento do número de trabalhadores formais e do valor do salário mínimo, a população pobre começou a ter condições financeiras para comprar alimentação. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no dia 18 deste mês, o rendimento médio do maranhense é de R$ 1.057,00 e houve evolução no ganho real das pessoas de 10 anos ou mais que trabalham no estado.
O valor corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de outubro de 2004 a setembro de 2013 colocou o Maranhão na quinta colocação entre os estados com maior ganho real na renda dos trabalhadores – o índice foi de 60,4%. Ainda conforme os dados da Pnad, cresceu, de 2004 a 2013, o número de empregados com carteira de trabalho assinada no Maranhão. Em 2004, o índice era de 45,7% e em 2013, 54,8%. Esse dado é importante porque um trabalhador com carteira assinada ganha até 48% a mais que um sem esse benefício, o que gera impacto no ganho real do rendimento.

Merenda escolar – Outra ação do Governo Federal que apoiou o resultado positivo apontado pela FAO foi o crescimento da oferta de merenda escolar no país. Em escolas públicas, 43 milhões de alunos recebem refeições, número superior ao de toda a população argentina. “Todos os dias nós garantimos pelo menos uma refeição completa e um lanche para as crianças brasileiras e, principalmente alimentação saudável, que garanta todos os nutrientes necessários”, informou Tereza Campello.
No Maranhão, 2 milhões de crianças e jovens comem todos os dias nas escolas da rede pública. De acordo com Tereza Campello, a verba repassada pelo Governo Federal aos municípios tem reservada uma parcela exclusiva para a compra de frutas, legumes e verduras, para garantir uma alimentação equilibrada para os estudantes. Além disso, 30% de todos os alimentos comprados para o preparo da merenda escolar devem ser adquiridos da agricultura familiar. “Assim, nós garantimos um ciclo de desenvolvimento. O aluno tem acesso a um alimento mais saudável e as prefeituras a um produto mais barato já que ele é produzido em sua própria região, reduzindo custos como o transporte, e ainda fortalecemos a agricultura familiar e movimentamos a economia local”, disse a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.
O fortalecimento da agricultura familiar aumentou em 10% a oferta de alimentos no Brasil. No Maranhão, a Sedes garantiu que o estado fosse a unidade da federação com o maior número de municípios inscritos no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), programa do MDS que promove o acesso a alimentos às populações em situação de insegurança alimentar e promove a inclusão social e econômica no campo por meio do fortalecimento da agricultura familiar.
Fernando Fialho, gestor da Sedes, informou que 82 municípios maranhenses já estão com o programa em execução e outros 42 estão finalizando sua inscrição no PAA. Outra medida foi o aumento no número de declarações de Aptidão ao Pronaf, que facilita o acesso do produtor ao crédito. “Para isso integramos ações de diversos órgãos estaduais para garantir orientação e assistência técnica aos produtores familiares maranhenses para que eles pudessem aumentar sua produção. Por meio do PAA e do Pnae [Programa Nacional de Alimentação Escolar] nós garantimos também mercado consumidor para esses agricultores”, disse.

Melhoria da qualidade da saúde foi um dos reflexos

Todos os investimentos feitos para reduzir a pobreza extrema e o combate à fome tiveram reflexo na melhoria da qualidade da saúde da população. A mortalidade infantil foi reduzida no país, sobretudo as causas relacionadas à extrema pobreza. A mortalidade por diarreia caiu 46% e a por desnutrição teve redução de 58%. No Maranhão, de 2003 a 2011, a mortalidade infantil diminuiu 28,3%, quase o mesmo índice nacional do período, que foi de 32%.
O acompanhamento de saúde dos beneficiários do Bolsa Família mostra que caiu o déficit de estatura das crianças beneficiárias. Indicador da desnutrição crônica, o déficit de estatura está associado a comprometimento intelectual das crianças. O acompanhamento feito pelo Ministério da Saúde mostra que, com a redução do déficit de estatura, os meninos de 5 anos beneficiários do Bolsa Família aumentaram 8 milímetros, em média, em quatro anos.
Com todos os dados apresentados, Tereza Campello avaliou que a fome deixou de ser um problema estrutural brasileiro para se tornar um fenômeno isolado, que existe ainda entre grupos específicos da população, como os indígenas, quilombolas e populações extrativistas. Nesse aspecto, ela citou o Maranhão, que tem um dos maiores números de comunidades quilombolas do país, além das quebradeiras de coco babaçu e populações indígenas.
Segundo o MDS, o desafio do Brasil, agora, é atender essas comunidades, o que está sendo feito por meio do Busca Ativa, que localiza, inclui no Cadastro Único e atualiza o cadastro de todas as famílias extremamente pobres, encaminhando-as aos serviços da rede de proteção social. O programa foi implantado em 2011 e já alcançou 59 mil famílias maranhenses.
Esse conjunto integrado de ações, por meio de parcerias entre os governos estadual e federal, além da realização de ações conjuntas de secretarias e órgãos maranhenses, fez com que o estado reduzisse de 20% para 8% o número de maranhenses abaixo da linha da pobreza. “O Governo do Estado tinha a meta de reduzir para apenas um dígito o índice de pessoas abaixo da linha da pobreza no Maranhão. Nosso objetivo era alcançar essa meta até o fim de 2015, mas conseguimos fazê-lo ainda em 2013”, destacou Fernando Fialho.

Mais


Segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), o Brasil é um dos países de maior destaque entre o grupo de 63 nações em desenvolvimento que atingiram a meta de reduzir à metade a proporção de pessoas subnutridas até 2015. Mas ainda há 3,4 milhões de pessoas que não comem o suficiente para levar uma vida ativa e saudável. O universo corresponde a 1,7% da população brasileira. Para a FAO, quando o percentual da população subnutrida é inferior a 5%, o problema deixa de ser estrutural. A FAO destaca os resultados alcançados pelo Brasil como um caso de sucesso mundial. O país mereceu, inclusive, um estudo específico sobre as estratégias adotadas para combater a fome e a subnutrição, o chamado Relatório Brasil.

Números


14 milhões de famílias são beneficiadas pelo Bolsa Família no Brasil
988 mil famílias maranhenses são beneficiadas pelo Bolsa Família
59 mil famílias de comunidades isoladas foram identificadas pelo Busca Ativa no Maranhão
43 milhões de crianças e adolescentes têm acesso à merenda escolar no país
2 milhões de crianças e adolescentes têm acesso à merenda escolar no Maranhão
69 mil novos postos de trabalho com carteira assinada foram criados no Maranhão desde 2011
3.727.495 milhões de maranhenses têm carteira assinada
R$ 1.057 é o rendimento médio do maranhense
6.802.000 milhões de habitantes é a população maranhense
2,3 milhões de maranhenses saíram da pobreza extrema
82 municípios executam o PAA

 

Teatro Arthur Azevedo recebe certificado internacional


 
O Teatro Arthur Azevedo, a mais antiga casa de espetáculos do Maranhão, e segunda mais antiga do Brasil em atividade, recebeu o Prêmio TripAdvisor por Excelência 2014, com selo e certificado concedido pelo site internacional TripAdvisor for Business, para o setor de acolhimento e hospitalidade.

Um dos 16 Teatros Monumentos do Brasil, o Teatro Arthur Azevedo que coleciona outros títulos, como de Um dos Sete Tesouros do Patrimônio Cultural Imaterial de São Luís, concedido pelo Bureau Internacional de Capitais Culturais, no ano de 2012, quando das comemorações dos 400 anos da cidade de São Luís, recebe mais esse prêmio que é dado a instituições a partir de informações de feedbacks dos turistas do mundo inteiro por meio do site TriAdvisor, baseado nas boas  avaliações e opiniões que recebeu no ano de 2013. O TAA recebeu pontuação máxima que vai de 1 a 5.

O prêmio sai anualmente pelo TriAdvisor, concede certificado e Selo de reconhecimento mundial no setor do turismo e viagens. No Maranhão dois outros órgãos que trabalham com cultura receberam o prêmio, o Museu Histórico e Artístico do Maranhão e o Convento das Mercês.
 

sábado, 27 de setembro de 2014

Prédio do antigo PAM Diamante já está totalmente reformado e modernizado

Centro de Especialidades Médicas e Diagnóstico do Diamante será inaugurado


Prédio do antigo PAM Diamante, totalmente reformado e modernizado, será entregue amanhã pela governadora Roseana Sarney.
 
A população maranhense receberá, amanhã, às 10h, mais uma importante obra do Programa Saúde é Vida, executado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES). Trata-se do Centro de Especialidades Médicas e Diagnóstico do Diamante, que será inaugurado pela governadora Roseana Sarney e pelo subsecretário de Estado da Saúde, José Marcio Soares Leite, no prédio do antigo PAM Diamante, que foi totalmente reformado e modernizado.
Na nova unidade de saúde, a população terá acesso a consultas especializadas nas áreas de cardiologia, otorrinolaringologia, ortopedia, proctologia, dermatologia, gastroenterologia, neurologia, oftalmologia, cirurgia geral, ginecológica, torácica, plástica, buco maxilo, neurocirurgia; e exames de densitometria óssea, endoscopia, ecocardiograma, eletrocardiograma, holter, mapa, ecodoopler vascular, teste ergométrico, urodinâmica, citoscopia e penioscopia.
O prédio também será a nova sede do Laboratório Central de Saúde Pública do Maranhão (Lacen), responsável pelo diagnóstico laboratorial de média e alta complexidade e que atende as Vigilâncias Sanitária, Epidemiológica e Ambiental dos 217 municípios do Maranhão. O Lacen realiza atualmente 216 mil exames por ano. "Esse é mais um grande investimento na saúde pública do Maranhão que temos a satisfação de entregar ao povo do nosso estado", ressaltou José Marcio Leite.

Especialidades


Cardiologia
Otorrinolaringologia
Ortopedia
Proctologia
Dermatologia
Gastroenterologia
Neurologia
Oftalmologia
Cirurgia geral, ginecológica, torácica, plástica, buco maxilo, neurocirurgia

APA do Itapiracó, se a política não atrapalhar, será um ganho para a cidade

Avançam obras de implantação do Complexo da APA Itapiracó

De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Naturais, a primeira etapa da unidade ambiental deverá estar concluída no final deste ano.
 
Foto: Antonio Martins
Sema garante que os serviços de construção
A primeira etapa do Complexo Ambiental da APA Itapiracó deve ficar pronta no fim do ano. A obra, realizada pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema), está em estágio avançado. O investimento é de R$ 26 milhões, recurso oriundo do Fundo Estadual de Unidade e Conservação, arrecadado pela Lei de Compensação Ambiental. O projeto da Área de Proteção Ambiental do Itapiracó, com cerca de 320 hectares, prevê a construção de espaços para atividades esportivas, recreativas e educativas, como as praças da família, da criança e do esporte.
Inédito no Brasil, o projeto tem como tripé inovação, sustentabilidade e localização estratégica. O objetivo é restringir a ocorrência de crimes ambientais e a ocupação irregular da área, com a instalação das sedes administrativas da Sema, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Batalhão Florestal, Delegacia Ambiental, além de uma unidade do Instituto Federal do Maranhão (IFMA).
A secretária de Estado de Meio Ambiente, Genilde Campagnaro, realizou, na tarde da última quinta-feira (25), vistoria nas obras do Complexo Ambiental da APA Itapiracó. Acompanhada do arquiteto e gestor de implantação do projeto, Marcos Borges, e do superintendente de Biodiversidade da Sema, Benedito Castro, ela conferiu o andamento dos serviços de construção das praças ao longo da Avenida Itapiracó e do calçadão para caminhada.

Compromisso - Genilde Campagnaro destacou o compromisso do Governo do Estado com a questão ambiental. “É um importante investimento do governo estadual. Viemos conferir o andamento das obras e aproveito para anunciar que a primeira etapa será entregue até o fim do ano. Esse é um projeto que vai beneficiar não só àqueles que moram próximo ao APA Itapiracó, mas todos os maranhenses que pela primeira vez terão contato com um espaço de preservação ambiental", declarou.
Durante a vistoria, o arquiteto Marcos Borges falou sobre a importância do projeto e preservação da área. "É um projeto pioneiro que vai proporcionar às pessoas de São Luís uma nova opção de lazer, um local diferenciado para a prática de atividades esportivas e contato com a natureza, além de mais consciência sobre a importância da preservação da flora e fauna. Todo o trabalho que está sendo feito aqui foi planejado para revitalizar a área", declarou.
Com impressionante diversidade biológica, o complexo ambiental será um espaço diferenciado para a prática de atividades esportivas e uma nova opção de lazer para os ludovicenses, beneficiando, principalmente, os moradores da região dos bairros do Turu, Cohatrac e Parque Vitória.
Mesmo ainda em fase de obras, o Complexo Ambiental da APA Itapiracó já atrai pessoas. Para a estudante Raiane Martins, o projeto é muito bom. "É maravilhoso ter um local próximo de casa, com tanta beleza, e agora mais acessível com estrutura para trazer a família", disse. A também estudante Maria de Fátima Sousa aprovou a iniciativa. "O local já é bom para correr, caminhar, cuidar da saúde. Espero que quando terminar a obra mais pessoas tenham a oportunidade de visitar e conhecer essa beleza", disse.

Cadê o viaduto da Forquilha, Senhor Prefeito?

Ausência de viaduto provoca caos em trânsito na Forquilha

Promessa é antiga, feita ainda na administração do prefeito João Castelo, que recebeu R$ 73 milhões do Governo do Estado.
 
Adriano Martins Costa
Da equipe de O Estado
 
Foto: Fabrício Cunha
Fluxo de veículos no retorno da Forquilha
A promessa é antiga. No ano passado, veio mais uma: a parceria entre Governo do Estado e Prefeitura de São Luís resultaria na construção do viaduto no retorno da Forquilha, entre outras obras de mobilidade urbana na capital. Hoje, mais de um ano depois, não há sinais de parceria, nem de viaduto no local. Somente engarrafamentos que se formam diariamente e em qualquer horário, nas quatro vias que desembocam na rotatória da MA- 201, ou Estrada de Ribamar, avenidas Nossa Senhora da Conceição, Guajajaras e Jerônimo de Albuquerque.
Quem trafega diariamente pelo retorno reclama da situação, que é constante. Em horários de pouco fluxo, os engarrafamentos são um pouco menores, mas ainda assim causam transtorno a condutores. Na Avenida Jerônimo de Albuquerque, os carros chegam até a frente da Loja Insinuante, enquanto na Estrada de Ribamar eles andam devagar até próximo da Choperia Marcelo. Mas quando chega o horário de pico é que tudo fica mais complicado. "Daqui a pouco isso aqui fica tudo cheio de carro e leva até meia hora para se sair daqui", reclamou o motorista Cláudio Azevedo, que dirige quase todos os dias pela Estrada de Ribamar.
Quem trabalha no local também faz crítica ao enorme fluxo de veículos, à falta de controle do tráfego, e à segurança. Um taxista, que pediu para não ser identificado e trabalha em um posto na rotatória, afirmou que no local falta segurança e não existe nenhum controle com relação ao tráfego. Até mesmo os semáforos são desrespeitados, e o único agente de trânsito que atua regularmente no local não faz muita diferença.
Para quem anda a pé ou de bicicleta pelo retorno a situação não é melhor. Primeiro, porque sem ciclovia e com as calçadas em péssimo estado, os ciclistas têm de andar em meio aos veículos, se arriscando nas laterais das pistas. Depois, ainda tem o problema da segurança. O jovem Michael Trindade todo dia tem de fazer o percurso na rotatória para ir ao seu serviço. Ele, que mora na Cohab, diz que o principal problema, além dos carros, é a segurança. Principalmente no trecho próximo à Estrada de Ribamar. Segundo afirmou, a parada de ônibus é a mais visada pelos bandidos.

Usuários - Além desses problemas, a região também é constantemente frequentada por usuários de drogas, muitos deles viciados em crack, que caminham pela rotatória. Alguns andam entre os carros com utensílios, limpando para-brisas, quando os veículos param no sinal vermelho, e às vezes acabam por continuar lá, mesmo quando os carros saem.
Outros simplesmente andam no meio dos carros, tendo de se livrar principalmente das motocicletas, levando perigo tanto para eles quanto para quem está a bordo dos veículos. Uma coberta, em frente a uma casa de festas, é um dos principais pontos de encontros dos viciados, que ficam praticamente o dia inteiro consumindo entorpecentes e deitados em colchonetes sujos e papelões, sem nenhuma ação do poder público.

Viaduto - A obra do viaduto da Forquilha, que desafogaria o trânsito na região, foi prometida em 2009. Na época o governador Jackson Lago assinou um convênio com a Prefeitura de São Luís, administrada por João Castelo. A obra fazia parte de uma série de intervenções na cidade, batizada de Plano de Revitalização Urbanística e Viária da Cidade, que nunca saiu da fotomontagem feita no computador.
Para piorar a situação, o dinheiro do convênio, R$ 73 milhões, foi transferido para contas da Prefeitura, mas até hoje não se sabe o que foi feito dele. Por causa disso, o Ministério Público moveu uma Ação Civil Pública contra o ex-prefeito. Ação acolhida pelo juiz Megbel Abdalla, condenou Castelo a devolver o recurso de forma parcelada, sendo R$ 2 milhões por mês, retirados do ISS, recolhido pela Prefeitura, em 36 meses. O processo ainda está em andamento.
No ano passado, o assunto voltou à discussão. Novamente, o Governo do Estado propôs uma parceria à Prefeitura de São Luís para a construção do viaduto da Forquilha e também de outro na rotatória do Calhau. À Prefeitura caberia o projeto das obras, enquanto o Governo faria a licitação e executaria o serviço.
Várias reuniões foram realizadas com a participação de secretários, mas novamente nada foi levado à frente. O Governo do Estado alega que a Prefeitura não apresentou os projetos, da forma como foi acordado. Por isso, as obras não foram levadas adiante.
Em nota, a Prefeitura de São Luís informou que a construção do viaduto da Forquilha integra um conjunto de obras planejadas para execução em parceria com o governo estadual, cujas tratativas começaram no ano passado. Acrescenta ainda que os recursos encaminhados pelo governo estadual, na gestão do ex-governador Jackson Lago, para a construção da obra estão sendo devolvidos pelo Município ao Governo do Estado, após ação judicial impetrada. Somente na atual gestão, já foram devolvidos R$ 40 milhões pelo Município.
A Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) informou que faz a fiscalização e orientação do trânsito na rotatória da Forquilha. Diariamente, às 6h da manhã, são designados oito agentes de trânsito para a rotatória da Forquilha e na rotatória da feira (que dá acesso à Maioba) são disponibilizados seis agentes de trânsito que atuam até as 20h.

Mais


Além do viaduto da Forqui-lha, o convênio entre Governo do Estado e Prefeitura prometeram a construção de um outro viaduto, na rotatória da Calhau, onde está localizado o Comando Geral da Polícia Militar

Número


R$ 73 milhões foi o valor destinado à construção do viaduto

Poema Sujo ganha vida no cinema

Poema Sujo ganha vida no cinema

De autoria do poeta Ferreira Gullar, o Poema Sujo, considerado a obra mais ousada do maranhense, será transformado em documentário do cineasta Silvio.
 
Evandro Júnior
Da Equipe de O Estado
 
Foto: Divulgação
Ferreira Gullar escreveu Poema Sujo em 1976
“Nunca pensei que alguém pudesse trabalhar o poema em um longa-metragem”. A frase é do poeta Ferreira Gullar, em entrevista exclusiva para O Estado, referindo-se ao Poema Sujo, de sua autoria, objeto do documentário do cineasta carioca Silvio Tendler. Para a sua montagem, já foram colhidos os primeiros depoimentos do maranhense, e Tendler está em comunicação com pessoas residentes em São Luís para contribuírem no repasse de informações sobre a cidade.
O projeto do cineasta Silvio Tendler é um sonho antigo que começou a se delinear há alguns anos. Em 2010, por exemplo, ele apresentou, na sede do Oi Futuro, em Ipanema, no Rio de Janeiro, uma videoinstalação sobre o mesmo poema. Na ocasião, quem passava pelo local deparava-se com imagens de artistas (como Camila Pitanga e Sergio Britto) lendo trechos da obra, e, ao mesmo tempo, contemplava exposição com fotos do poeta. Na época, o cineasta revelou à imprensa seu desejo de produzir um documentário e uma série de TV e que o Poema Sujo teria uma narrativa cinematográfica perfeita para isso, com começo, meio e fim. “O ‘sujo’ dele tem muitos significados. Tem transgressão política, erótica, escatológica, até chegar à filosófica. É uma obra completa, contemporânea”, declarou na ocasião.
Segundo o cineasta, o projeto já está em fase de finalização e foi batizado como Há Muitas Noites na Noite. A proposta deve ser dividida em série de sete episódios que será exibida na TV Brasil e até o fim do ano deve ser lançada também no cinema. “Estamos finalizando e a proposta é falar do exílio de Ferreira Gullar e, além do Poema Sujo, do outro livro dele, Rabo de Foguete. É um documentário que está ficando lindo”, explica Silvio Tendler.
O cineasta adiantou que no próximo mês virá a São Luís para fazer as últimas gravações para o filme. “Já fui a São Luís várias vezes. Eu adoro a cidade”, ressalta.
Ferreira Gullar ficou surpreso e entusiasmado com a proposta, e está seguro de que o resultado será dos mais interessantes, até porque se trata de um conceituado cineasta. “O poema certamente está possibilitando a ele um bom trabalho, principalmente pela sua quantidade de elementos. Ele [Silvio] inclusive já me entrevistou. Nunca tinha pensado nessa possibilidade [de o poema vir a ser um longa-metragem]. No Maranhão, já fizeram algumas coisas, mas não com essa magnitude”, destacou.
Segundo o poeta, o Poema Sujo, por sua densidade, traz uma riqueza de elementos os quais implicam em múltiplas possibilidades para um trabalho dessa natureza. “São lembranças da infância, referências a São Luís e Buenos Aires, e muitas outras coisas”, disse.

Ousadia – Poema Sujo é uma publicação de 1976. A obra é considerada a mais ousada de Ferreira Gullar. Foi escrita durante o exílio do poeta, em Buenos Aires, na Argentina. Ele sentiu a necessidade de escrever um poema que fosse o seu testemunho final, antes que calassem sua boca para sempre. Em uma época de forte repressão política, sentia-se acossado pela ânsia de rememorar o passado e sentia dificuldade de expressar, em linguagem poética, seu universo interior. Essa necessidade de Gullar transparece logo nos primeiros versos, no nível formal do texto.
Um ano antes de sua publicação, o poeta Vinícius de Moraes promoveu uma série de recitais onde os versos de Poema Sujo
eram ouvidos por diversas plateias. Agora, o documentário em andamento começa a despertar a curiosidade, inclusive ao próprio poeta. “Silvio Tendler é um dos maiores cineastas brasileiros e, com certeza, está fazendo um bom trabalho”, elogiou.
Os filmes de Tendler resgatam a memória brasileira e inspiram seus espectadores a uma reflexão sobre os rumos do Brasil, da América Latina e do mundo em desenvolvimento. Ele é dono de um jeito peculiar de fazer cinema. Entre a gestação de uma ideia, sua execução e finalização, muitas vezes se passam décadas. Com Poema Sujo não está sendo diferente, haja vista que a preparação começou bem antes de 2010. O cineasta tem sempre vários projetos e vai tocando todos ao mesmo tempo. Parte das pesquisas de seus filmes tem origem no volumoso acervo particular de imagens, com mais de 10 mil títulos sobre a história do Brasil e do mundo dos últimos 50 anos.
O carioca é detentor das três maiores bilheterias de documentários na história do cinema brasileiro: O Mundo Mágico dos Trapalhões (1 milhão e 800 mil espectadores), Jango (1 milhão de espectadores) e Anos JK (800 mil espectadores). Jango e Anos JK, apesar de falarem sobre o golpe militar de 1964 e democracia, foram lançados ainda em plena ditadura militar, em 1984 e 1980. A partir de então, ele continuou produzindo uma série de documentários que conquistaram diversos prêmios de público e crítica, divulgando a cultura e a história brasileira para o resto do mundo.

Ator maranhense Breno Nina, protagoniza o longa O último Cine Drive-in, do diretor brasiliense Iberê Carvalho.

Ator maranhense no Festival do Rio

Breno Nina protagoniza o longa O último Cine Drive-in, do diretor brasiliense Iberê Carvalho.
Italo Stauffenberg
Da equipe de O Estado
 
Foto: Divulgação
O ator Breno Nina no set de gravação
A magia do cinema a céu aberto e uma difícil relação familiar. Esse foi o desafio do ator maranhense Breno Nina, que atuou recentemente no longa-metragem O último Cine Drive-in. O filme é uma coprodução da Pavirada Filmes, Ligocki Entretenimento e Chroma Comunicação. É dirigido por Iberê Carvalho e traz no elenco, além de Breno Nina, os atores Othon Bastos, Rita Assemany, Chico Sant’anna, Fernando Rocha, André Deca, Rosanna Viegas e Vinícius Ferreira e participação especial de Mounir Maasri e Zécarlos Machado. A montagem fará sua estreia no Festival do Rio 2014, que começou no dia 24 e segue até o dia 8 de outubro, e concorrerá ao Troféu Redentor na Mostra Competitiva Première Brasil. O filme será exibido na próxima quinta-feira.
Para o ator Breno Nina, gravar o primeiro longa-metragem, que está concorrendo em um dos maiores festivais de cinema do Brasil, é um momento ímpar. “O Festival do Rio é uma das principais janelas para quem trabalha no meio artístico”, disse o ator.
O projeto fílmico nasceu da necessidade de retratar uma relação familiar complicada pelo distanciamento entre pai e filho e teve como pano de fundo a situação emblemática que enfrenta o Cine Drive-in, em Brasília. Único cinema a céu aberto em atividade no Brasil, o Cine Drive-in sofre com pressões financeiras e políticas. Corre o risco de ser fechado e anexado ao Autódromo Internacional Nelson Piquet, mas já há um projeto de lei para tornar o cinema Patrimônio Cultural Material do Distrito Federal.
“O Drive-in me pareceu o espaço ideal para falar de uma relação que está perdida no tempo. Presa ao passado. Paralelamente, o filme também faz uma metáfora de que nossos espaços culturais estão na UTI, assim como a mãe de Breno”, descreve Iberê Carvalho, que elogia o desempenho do maranhense. “Conheci o Breno quando dirigi um videoclipe do rapper MV Bill. Foi um trabalho rápido, mas foi suficiente para perceber que é um ator que se entrega, confia na direção e gosta muito do que faz. Isso foi decisivo para a sua escolha”, destaca.

Conflito - Em O último Cine Drive-in, Marlonbrando (Breno Nina) é um rapaz que, vítima da separação dos pais ainda na infância, vive distanciado do contato com o pai. Apesar de conservar na memória a época de ouro do Cine Drive-in, empresa ao qual seu pai era proprietário, Marlonbrando vive em Anápolis, interior do estado de Goiás, com Fátima (Rita Assemany), sua mãe, desde o divórcio. Mãe e filho voltam a Brasília para que Fátima realize um exame no Hospital de Base do Distrito Federal. Nessa circunstância, ele se depara com a necessidade de pedir ajuda ao pai, com quem não tem contato há muitos anos. Almeida (Othon Bastos) é proprietário do cinema e o mantém ativo apenas com dois funcionários: Paula (Fernanda Rocha), que cuida da projeção e da lanchonete, e José (Chico Sant’anna), um velho amigo de Almeida, que cuida da bilheteria e dos serviços de limpeza. A chegada de Marlonbrando a Brasília traz consigo a ameaça de demolição do Cine Drive-in e a perturbadora mudança na relação entre pai e filho.
Todo o filme foi gravado em três meses com locações no Cine Drive-in, Hospital de Base do Distrito Federal e na cidade de Anápolis/GO. O último Cine Drive-in tem trilha sonora original composta por Sasha Kratzer, Zepedro Gollo e Bruno Berê, além das participações dos músicos Dillo Daraújo e Ted Falcon.
Breno Nina tem 27 anos e é de São Luís. O contato com a esfera artística aconteceu ainda na adolescência, quando aos 13 anos atuou em seu primeiro espetáculo. “Comecei a fazer teatro no Colégio Educator, aqui em São Luís, quando tinha 13 anos. A peça se baseava na tragédia grega de Antígona, tinha direção de Sérgio Helal e fazia parte da programação do Festival Maranhense de Teatro Estudantil”, conta o ator.
Após concluir o ensino médio, Nina mudou-se para Brasília onde fez o curso de Publicidade e Propaganda na Universidade de Brasília. Paralelamente, apresentava-se em espetáculos. Logo após a passagem pela capital federal, participou do elenco da novela da Rede Globo, Cheias de Charme, interpretando o segurança Wanderley, que trabalhava com a estrela Chayene (Cláudia Abreu). “Era interessante. Por mais que tivesse poucas falas, estar no elenco fixo me possibilitou saber como é que funciona o dia a dia de fazer telenovela”, relata Nina.

Mais


O Cine Drive-in foi inaugurado em 25 de agosto de 1973. É o único cinema a céu aberto em atividade no Brasil. Tem 15 mil metros quadrados de área asfaltada e é capaz de acomodar 500 veículos em seu estacionamento. Os filmes são visualizados por uma tela de concreto que mede 312 metros quadrados. O local possui uma torre de som com uma estação de rádio FM para transmitir a gravação do filme em estéreo pelos rádios dos carros. Para quem não possui som interno é só acender o farolete e solicitar o som.
O Projeto de Lei 1608/2013 está tramitando na Câmara Legislativa do Distrito Federal, mas devido a interferências ainda não foi votado.

Produção de mel deve atingir as 3.500 toneladas este ano no MA

Aumento é de quase 100% em relação à produção do ano passado, quando foram colhidas 1.800 toneladas de mel, todas oriundas das apiculturas migratória.

 

Foto: Divulgação/Secom
Apicultor manuseia colmeia na região do Alto Turi
A região do Alto Turi, responsável por cerca de 80% da produção do mel no Maranhão, está concluindo a colheita do produto neste mês de setembro. A previsão é de que em todo o estado sejam produzidas cerca de 3.500 toneladas de mel, oriundas da apicultura migratória e fixa. Um aumento significativo da produção, se comparado ao ano passado, quando foram colhidas aproximadamente 1.800 toneladas de mel.
Na opinião do secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Sagrima), Cláudio Azevedo, o aumento da produção de mel, registrado nos últimos anos no Maranhão, é um reflexo do potencial do pasto apícola, com a diversidade de florada e clima propício, aliado aos investimentos e fomento da produção por parte do governo estadual e federal e a instalação de empresas no território maranhense.
“O Maranhão está cada vez mais atraindo investidores que acreditam no nosso potencial, não só para a produção de mel, mas também de outros produtos apícolas como a cera, o pólen e até o veneno das abelhas", afirmou Cláudio Azevedo.
Na Baixada Maranhense, apicultores dos municípios de São João Batista, Viana e Anajatuba já deram início à colheita do mel. Já os municípios que mais se destacam na produção de mel na região do Alto Turi são Nova Olinda, Santa Luzia do Paruá, Junco do Maranhão, Presidente Médici e Maranhãozinho. Além dos apicultores locais, a região também atrai produtores do Piauí e do Ceará, que migram com suas colmeias sempre em meados do mês de maio.
Apicultores - O presidente da Federação Maranhense de Apicultura e Meliponicultura do Maranhão, Euller Gomes Tenório, informou que, em Maranhãozinho, chegaram 15 apicultores de Jaicos, 50 de Picos e quatro de Paulo Afonso, cidades do Piauí, com um porte médio de colmeias de no mínimo 600 caixas e no máximo 1.500, produzindo 20 kg individualmente. “O enorme potencial do Maranhão atrai cada vez mais apicultores de outros estados”, afirmou Euller Tenório.
Ele informou ainda que o mel do Maranhão, além de ser comercializado em outros estados do Brasil, é também exportado para os Estados Unidos e países da Europa, citando como exemplo a Alemanha e Itália.
Incentivos - Entre os incentivos da Sagrima para aumentar a produção de mel no Maranhão, estão a criação da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Mel, onde são realizadas reuniões para apresentação de demandas do setor e onde foi aprovada a criação da Federação Maranhense de Apicultura e Meliponicultura. A outra ação da Sagrima foi a distribuição de 2.500 abelhas rainhas a apicultores, permitindo o aumento da produtividade do mel.
Os apicultores maranhenses ganharam ainda um reforço, em dezembro do ano passado, quando, em solenidade que contou com a presença da governadora Roseana Sarney e do superintendente da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf), João Batista Martins, com a distribuição de 279 kits de apicultura, compostos por colmeias, suportes, equipamentos de proteção individual (EPIs), cera, carretilha, formão e fumigador.

Agroindústria - Além de fomentar a produção de mel, o governo estadual também teve foco na comercialização do produto e em maio deste ano a governadora Roseana Sarney sancionou a lei que beneficia agroindústrias familiares de pequeno porte ou artesanais, nos quais os pequenos apicultores estão inseridos.
A regulamentação das agroindústrias é feita por meio do Serviço de Inspeção Estadual (SIE), de responsabilidade da Agência de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged), órgão vinculado à Sagrima. Com este selo, os estabelecimentos poderão fornecer seus produtos para o comércio, além de permitir que eles sejam inseridos nos programas de compras governamentais do município, estado e união, como, por exemplo, na merenda escolar, no Programa Compra Local e de Aquisição de Alimentos.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Acontecendo na ilha

Ubiracy Brasil, Marcelo Picch Arlete Salles, Miguel Falabella, Alessandra Verney e Magno Bandarz. Foto: Divulgação

O que o mordomo viu?

Inspirado no melhor texto concebido no período mais amadurecido do escritor inglês Joe Orton, o espetáculo O que o Mordomo Viu estreia na próxima sexta-feira, no Teatro Arthur Azevedo, com versão, direção e atuação de Miguel Falabella. No palco, ele contracena com uma das mais convincentes atrizes brasileiras: Arlete Salles. E também com Alessandra Verney. A história gira em torno do psiquiatra Dr. Arnaldo (Miguel Falabella) e sua atraente secretária, Denise Barcca (Alessandra Verney). O espetáculo começa com a secretária sendo entrevistada e examinada pelo doutor, no seu primeiro dia de trabalho. Como parte da entrevista, ele a convence a se despir. A situação vai se tornando mais intensa, à medida que a entrevista vai avançando, até a entrada em cena da Sra. Mirta (Arlete Salles), esposa de Dr. Arnaldo.

DE RELANCE

O CARTUNISTA e empresário brasileiro Maurício de Sousa, o criador da Turma da Mônica, confirmou presença na edição de numero oito da Feira do Livro de São Luís, que este ano acontecerá de 31 de outubro a 9 de novembro, ocupando espaços culturais do bairro Desterro. Além dele, está confirmada a participação da escritora Marina Colasanti.

Novo site do Porto do Itaqui traz inovações tecnológicas e informações atualizadas

Gestora do porto afirma que o internauta poderá ter vista de 360º de algumas áreas operacionais do porto, além de informações dos navios atracados.

Foto: Reprodução
A Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) divulgou informações sobre o novo site do Porto do Itaqui. A ideia é apresentar ao internauta o sítio eletrônico com um visual moderno, arrojado e intuitivo. As alterações no layout buscam atender a clientes e parceiros da administradora, além de desenvolver um relacionamento mais próximo com a comunidade e o público em geral.
A reformulação do site durou cerca de quatro meses e foi conduzida pela Gerência de Comunicação em parceria com Tecnologia da Informação da Emap. O esforço conjunto uniu a expertise dos profissionais de comunicação com um olhar mais criterioso para tornar a página mais atrativa, objetiva e que proporcionasse acesso rápido e fácil a informações administrativas, operações portuárias, a programação de navios, o planejamento do Itaqui, projetos na área de responsabilidade social, contratos, processos licitatórios entre outros serviços.
A grande novidade do site da Emap está na visualização da programação de navios do Itaqui. Os dados são extraídos (e cruzados) diretamente dos sites Marine Traffic, S2GPI e Google, e fornecem em tempo real a localização (e visualização) geográfica de cada navio atracado e esperado no Porto do Itaqui, além de todos os que estão fundeados na Baía de São Marcos. Essa proposta é inédita entre portos do mundo todo e juntamente com a previsão de clima/tempo e maré, oferece, de maneira objetiva e prática, informações necessárias à comunidade portuária.
Além disso, na nova homepage, a Emap divulga com facilidade as notícias, fotos e vídeos do porto, além de um passeio em 360º por diversas áreas do Itaqui. Informações precisas sobre a história da Emap e do porto, bem como contatos da comunidade portuária, projetos em desenvolvimento e futuros, histórico de movimentação de cargas e diversas outros elementos são fornecidos através de um menu de fácil interação.
O site facilita o acesso da comunidade e público em geral através do seu programa de relacionamento e visitas, onde estudantes, instituições de ensino e demais interessados podem se cadastrar para conhecer o Porto do Itaqui. Esse diálogo aberto através do meio digital busca facilitar a comunicação e atender a todos de forma democrática.
Segundo a Emap, o novo site é mais um projeto que integra o objetivo de colocar o Itaqui entre os 10 melhores portos do mundo, neste caso no ambiente digital.