quinta-feira, 20 de novembro de 2014

No dia da Consciência Negra, Brazil, mostra tua cara


sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Dados estatísticos dos estados e municípios 2012








Saiu o PIB dos estados 2012


O Maranhão teve o maior crescimento da Região Nordeste em 2012 com 12,71%,  crescimento maior que o de Pernambuco que, apesar de liderar o ranking, obteve 12,40% . O MA continua firme ocupando o quarto lugar no NE e se aproximando do Ceará que cresceu pouco, apenas 2,44%,  ao mesmo tempo em que se distancia dos demais estados RN, PB,AL,SE e PI que ocupam a 5ª, 6ª, 7, 8ª, e 9ª posições respectivamente.



 
 
Brasil Total 2012

1 - São Paulo (1.408.904)2 - Rio de Janeiro (504.221)
3 - Minas Gerais (403.551)
4 - Rio Grande do Sul (277.658)
5 - Paraná (255.927)
6 - Santa Catarina (177.276)

7 - Distrito Federal (171.236)
8 - Bahia (167.727)
9 - Goiás (123.926)
10 - Pernambuco (117.340)
11 - Espírito Santo (107.329)
12 - Pará (91.009)
13 - Ceará - (90.132)
14 - Mato Grosso (80.830)
15 - Amazonas (64.120)
16 - Maranhão (58.820)
17 - Mato Grosso do Sul (54.471)
18 - Rio Grande do Norte (39.544)
19 - Paraíba (38.731)
20 - Alagoas (29.545)

21 - Rondônia (29.362)
22 - Sergipe (27.823)
23 - Piauí (25.721)

24 - Tocantins (19.230)
25 - Amapá (10.420)
26 - Acre (9.629)
27 - Roraima (7.314)


Em numerous detalhados
São Paulo 1.408.903.865.632
Rio de Janeiro 504.221.370.518
Minas Gerais 403.551.317.453
Rio Grande do Sul 277.657.665.658
Paraná 255.926.607.895
Santa Catarina 177.275.690.906
Distrito Federal 171.235.534.071
Bahia 167.727.375.063
Goiás 123.926.301.290
Pernambuco 117.340.091.516
Espírito Santo 107.328.770.894
Pará 91.009.013.794
Ceará 90.131.724.432
Mato Grosso 80.830.108.029
Amazonas 64.119.835.579
Maranhão 58.819.683.000
Mato Grosso do Sul 54.471.447.338
Rio Grande do Norte 39.543.678.537
Paraíba 38.731.149.276
Alagoas 29.544.708.358
Rondônia 29.361.935.831
Sergipe 27.823.191.481
Piauí 25.720.626.469
Tocantins 19.529.689.432
Amapá 10.419.539.402
Acre 9.629.238.676
Roraima 7.313.836.470
Total Geral 4.392.093.997.000

PIB per capita

Sobretudo por ter uma super população (6.714.314 hab) o Maranhão conseguiu superar apenas o Piauí no PIB per capita. O Maranhão precisa melhorar muito ainda neste quesito.

Raking dos Estados - PIB per capita

1 - Distrito Federal (64.653)
2 - São Paulo (33.624)
3 - Rio de Janeiro (31.064)
4 - Espírito Santo (29.996)

5 - Santa Catarina (27.771)
6 - Mato Grosso (25.945)
7 - Rio Grande do Sul (25.779)
8 - Paraná (24.194)
9 - Mato Grosso do Sul (21.744)
10 - Minas Gerais (20.234)
11 - Goiás (20.134)
12 - Rondônia (18.466)
13 - Amazonas (17.855)
14 - Roraima (15.577)
15 - Amapá (14.914)
16 - Tocantins (13.775)

17 - Sergipe (13.180)
18 - Pernambuco (13.138)

19 - Acre (12.690)
20 - Rio Grande do Norte (12.249)
21 - Bahia (11.832)

22 - Pará (11.678)
23 - Ceará (10.473)
24 - Paraíba (10.151)
25 - Alagoas (9.333)
26 - Maranhão (8.760)
27 - Piauí (8.137)


quinta-feira, 13 de novembro de 2014

A Avianca está chegando a São Luís


Está chegando

O vice-secretário da Setur-São Luís, Guilherme Marques, participou de  uma reunião com o vice-presidente da empresa Tarcísio Gargione  onde ficou acertado que a Avianca começará a operar no estado a partir do mês do abril de próximo ano.

STAR ALLIANCE

Segundo o executivo, a Avianca deverá estar totalmente incorporada a Star Alliance até junho de 2015. “A entrada na aliança vai permitir uma série de novos acordos e parcerias.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Antigo Espaço Cultural será a sede da Univima

Governadora Roseana assina ordem de serviço para construção de nova sede da Univima

  A governadora destacou a importância da construção da nova sede, frisando que a obra será entregue em três meses          

         
 

A governadora Roseana Sarney assinou, na tarde desta terça-feira (11), a Ordem de Serviço para o início das obras de construção da nova sede da Universidade Virtual do Maranhão (Univima), ao lado da Praça Maria Aragão, onde antes estava o prédio do Espaço Cultural.
 

O documento foi assinado, também, pelo secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, José Costa, na presença dos secretários de Estado Anna Graziella Neiva Costa (Casa Civil), Danilo Furtado (Educação), Olga Simão (Cultura) e Carla Georgina (Comunicação Social), bem como de professores, pró-reitores, pais e alunos.

A governadora destacou a importância da construção da nova sede, frisando que a obra será entregue em três meses. Afirmou que o prédio será de fundamental importância para a capacitação profissional dentro da perspectiva de formação de 500 mil jovens por ano. Ela informou que a obra está orçada em R$ 6.669.468,00 e que, 2011 para cá, já foram capacitados mais de 250 mil maranhenses, por meio de cursos de formação continuada e de qualificação profissional.

“Nossa meta era formar 400 mil jovens por ano e isto nós cumprimos a contento. Agora, estamos com a perspectiva de chegar ao fim deste ano com cerca de 800 mil jovens capacitados. Isto significa mais pessoas prontas para o mercado de trabalho, o que, sem dúvida, é uma grande conquista para o Maranhão”.

Meu Primeiro Emprego

Roseana Sarney, também, destacou o programa Meu Primeiro Emprego. “A notícia que temos para dar é que o mercado já absorveu 100 mil novos trabalhadores”, disse aproveitando a oportunidade para informar que encaminhou à Assembleia Legislativa matéria propondo a realização de concurso público para o magistério, com a oferta de três mil vagas em 2015.

O secretário José Costa lembrou que o programa Maranhão Profissional inspirou o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), do Governo Federal, exatamente pela sua importância para o mercado de trabalho e para os jovens brasileiros. Ele lembrou que, atualmente, as atividades da Universidade Virtual alcançam 137 municípios e que na capital existem 26 pontos.

“O Governo do Estado preocupa-se com a capacitação e, também, com a inclusão dos jovens no mercado de trabalho. A nossa estrutura tecnológica opera com três canais de satélites, o que possibilita à Universidade chegar a locais sem acesso a internet”, disse o secretário, acrescentando que novos cursos serão oferecidos e aguardam apenas aprovação do Conselho Estadual de Educação. São cursos técnicos plenos e de graduação (tecnólogos e licenciatura).
 

sábado, 8 de novembro de 2014

Cônsul da França quer estreitar laços com o MA

Bruno Bisson está no Brasil pela primeira vez e visitou também outros estados, como Bahia, Sergipe e Rio Grande do Norte.

Foto: Andressa Valadares
Bruno Bisson, cônsul da França
Recém-nomeado cônsul-geral da França no Nordeste, o diplomata Bruno Bisson está no Brasil pela primeira vez e visitou São Luís para conhecer a cultura local e reforçar os laços entre o Consulado Honorário da capital maranhense e o Consulado Geral. Após passar dois anos como cônsul francês na região sul da China, Bisson agora responde pelo consulado nordestino, cuja sede fica em Recife (PE). Depois de visitar as capitais da Bahia, Sergipe, Rio Grande do Norte e Pernambuco, o cônsul chegou quinta-feira (6) a São Luís. Acompanhado cônsul honorário da França em São Luís, José Jorge Leite Soares, Bruno Bisson visitou o Sistema Mirante.
No Maranhão, a Aliança Francesa é a referência da França e realiza um trabalho conjunto com o consulado. "Existem muitas coisas que as pessoas já conhecem sobre a França, mas o meu dever, como cônsul é mostrar tudo que é possível sobre o meu país, para fazer com que a cultura, a educação, o comércio, o conhecimento, a política e o turismo sejam ainda mais reconhecidos. A ideia, ao divulgar isso, é que os brasileiros tenham interesse em conhecer a França e os franceses tenham interesse em conhecer o Brasil", ressalta Bruno Bisson.

Relação - Brasil e França têm uma boa relação. Em Brasília, a embaixada se ocupa das relações políticas com o Brasil; em São Paulo existe o consulado geral que se ocupa das relações comerciais e econômicas, principalmente porque as grandes empresas francesas estão localizadas naquela região, e no Rio de Janeiro também há um consulado geral que é responsável por questões culturais e históricas.
O cônsul-geral do Nordeste diz ter um grande desafio nessa região. "Há um certo desequilíbrio na presença da França no Brasil, que ocorre por causa das atividades econômicas que se concentram apenas no eixo Rio-São Paulo. Estamos aqui para tentar diminuir esse desequilíbrio", afirma.
O Bruno Bisson espera que no Maranhão as autoridades possam se unir e manter uma relação com a França que gere bons frutos. "Gostaria especialmente que os investidores franceses viessem muito mais para o Nordeste e propusessem para os governos estaduais e municipais que, num futuro próximo, pudéssemos trabalhar juntos e trazer investimentos da França", destacou, o cônsul, que espera voltar ao Maranhão em um ano para estreitar os laços comerciais entre os dois países.

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Edital de licitação para reforma da Rua Grande é lançado pelo Iphan

Ordem de serviço deve ser assinada no dia 5 de dezembro; obra tem prazo de 2 anos para conclusão e inclui do Largo do Carmo até o Parque Urbano Santos

 
Foto: Flora Dolores
Fiações elétircas e telefônicas da Rua Grande serão embutidas para melhorar a paisagem urbana
 
As obras de requalificação, arquitetura e urbanização da Rua Grande mudarão a aparência da região central de São Luís. Isso porque o edital publicado pela Superintendência Regional do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) inclui obras na área que vai do Largo do Carmo até o Parque Urbano Santos. No dia 26 deste mês, serão abertas as propostas do processo licitatório e a assinatura da ordem de serviço das obras deve ocorrer dia 5 de dezembro.
O aviso de licitação para as obras de reforma da área foi publicado na tarde de segunda-feira, dia 3, pelo Iphan e segue o Regime Diferenciado de Contratação, pelo qual a empresa vencedora será responsável pela execução de serviços técnicos especializados, elaboração de projetos executivos e a execução das obras de requalificação da Rua Grande, Largo do Carmo, Parque Urbano Santos, praças Deodoro, Pantheon e as alamedas Silva Maia e Gomes de Castro. A empresa vencedora terá prazo de dois anos, contados a partir da data de assinatura da ordem de serviço, para concluir os trabalhos no local.
Segundo Kátia Bogéa, superintendente regional do Iphan, a logística da obra foi pensada para permitir que o comércio da região não deixe de funcionar ao longo da execução dos serviços, já que a área é o principal centro de comércio popular de São Luís. "A obra terá três frentes de trabalho para que seja executada com agilidade. Iniciaremos, ao mesmo tempo, as obras do primeiro e último quarteirões da Rua Grande, e das praças. Concluídas essas etapas, serão feitos os trabalhos nas quadras restantes até que toda a obra seja entregue", explicou. A primeira quadra da Rua Grande corresponde ao trecho do Largo do Carmo, na Praça João Lisboa. A última quadra é o trecho próximo ao antigo Cine Passeio.

Fiação - A reforma da via prevê o embutimento das fiações elétrica e telefônica, que causam uma série de problemas à Rua Grande. O principal deles é o comprometimento da aparência estética do conjunto de casarões da via. Além disso, em caso de queda, a fiação pode deixar toda a rua sem energia elétrica. A entrada de caminhões de grande porte para descarregar mercadorias nas lojas da via também é dificultada por causa da fiação exposta.
O projeto de reforma inclui ainda a retirada dos postes, troca dos paralelepípedos por piso de granito e obras de drenagem profunda com instalação de nova rede de esgoto e equipamentos urbanos (lixeiras, jardineiras, bancos, iluminação artística, acessibilidade, sinalização, e outros).
A obra é complexa porque a Rua Grande tem uma peculiaridade: uma parte da via, que vai até as imediações da Igreja de São João, é tombada pelo órgão federal e outra parte, pelo Governo do Estado. E dentro do perímetro do tombamento estadual, há imóveis que são tombado pelo Iphan, como o Palacete Gentil Braga e o Portão Amoreado da Quinta das Laranjeiras, construído no século XIX, e onde funcionou o antigo Colégio Marista, a partir da década de 1940.

Saiba mais


A reforma da Rua Grande é uma das 44 obras que serão executadas em São Luís pelo com recursos do PAC Cidades Históricas, que são de R$ 130 milhões. Atualmente, seis estão em andamento e a primeira a ser entregue será a requalificação da Praça da Alegria, em dezembro deste ano. A segunda obra a ser entregue será a restauração das fachadas do Sobrado dos Belfort, nº 37 (antigo Hotel Ribamar), na Praça João Lisboa, em janeiro de 2015. As demais obras em execução são a restauração do Palácio Cristo Rei, no Largo dos Amores, também no Centro; a restauração do Sobrado 341, na Rua da Estrela, Praia Grande, onde funcionará o anexo do curso de História da Universidade Estadual do Maranhão (Uema); restauração do Sobrado 286, também na Rua da Estrela, onde funcionará a sede da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema) e a restauração do Palácio das Lágrimas, na Rua da Paz, Centro, onde será implantado o Museu da Ciência.

Números


800 metros é a extensão da Rua Grande
100 mil é o número de pessoas que passam diariamente pela rua

Urbanização do Espigão Costeiro e da península será entregue hoje

Governo faz entrega das obras às 17h; o Espigão é novo cartão-postal de São Luís.

 
Foto: Secom
 
A governadora Roseana Sarney entrega na tarde de hoje, às 17h, as obras de ampliação e urbanização do Espigão Costeiro e a urbanização da Península da Ponta d'Areia, executadas pela Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra).
A inauguração do espaço, que mesmo em obras já havia se transformado em cartão-postal de São Luís, vai contar com as apresentações da Banda do Bom Menino, da Orquestra de Câmara da Escola de Música Lilah Lisboa e do musical Natalina da Paixão, em uma parceria com a Secretaria de Cultura (Secma).
O secretário de Infraestrutura, José Raimundo Frazão, ressaltou a importância da obra tanto na questão funcional como paisagística. "O espigão foi construído para conter a erosão na faixa litorânea de São Luís e desassorear o canal, ação que já é percebida hoje, e com a urbanização virou um novo ponto turístico antes mesmo de ter a obra concluída", avaliou.
O Espigão Costeiro da Ponta d'Areia tem 572 metros de extensão e o trecho urbanizado totaliza, aproximadamente, dois quilômetros. A urbanização incluiu a construção de bancos, proteção das laterais, calçadão, passeio e ciclovia, quiosques para comercialização de água de coco, e o mirante, na parte mais extrema do Espigão, além da revitalização do Memorial Bandeira Tribuzi, composto por prédios para administração, lanchonete e área de exposição, entre outros detalhes.

Cultura - Durante a inauguração, a área da Península da Ponta d'Areia contará com apresentações da Banda do Bom Menino, da Orquestra de Câmara da Escola de Música Lilah Lisboa e do musical Natalina da Paixão, da Companhia Barrica, que serão atrações em três pontos distintos da orla. Além disso, na área do Memorial Bandeira Tribuzi, a Secretaria de Cultura preparou uma exposição artística."Esse espaço se revela como uma área de lazer importante para a população de São Luís. E a programação da inauguração vai levar música e entretenimento para as pessoas que vêm aproveitar o pôr do sol nesse espetáculo maravilhoso", afirmou a secretária Olga Simão.

Espigão - O espigão (ou quebra-mar, como é mais conhecido) foi construído para resolver o problema da erosão na orla da Ponta d'Areia e desassorear o canal, resultado que já vem sendo alcançado. De acordo com o estudo - que foi financiado pela empresa Vale e doado ao Governo do Estado -, o acúmulo de areia acarretou a modificação da corrente na área da Ponta d'Areia, aumentando a intensidade da erosão. Além da erosão, a medida conterá também o assoreamento do canal existente entre a península e o banco de minerva - espécie de banco de areia. O local serve para o tráfego de embarcações.
 
Mais

- Comprimento: 572m
- Altura: 8m
- Altura acima da preamar: 1,4m
- Extensão da urbanização: 2km
- Custo total das obras: R$ 16 milhões
- Foi construído para conter a erosão e desassorear o canal na Ponta d'Areia
- Estudo foi financiado pela empresa Vale e doado ao Governo do Estado
 
Local também é utilizado por praticantes da pesca

No período da noite, trecho do Espigão Costeiro tem sido ocupado por grupos de pessoas para a prática de pesca esportiva.

Além de se transformar em polo atrativo do turismo em São Luís, o Espigão Costeiro também já é utilizado por praticantes da pesca recreativa, que estão se encontrando no local, especialmente durante a noite. Ontem, um dia antes da entrega da primeira etapa da obra de urbanização, O Estado conversou com pessoas, reunidas em grupos, que pescavam na área do espigão.
Um dos praticantes é o servidor público Sérgio Filho, de 32 anos, que confessou ter aptidão pela pesca desde criança. "Desde pequeno, gosto de pescar. E ter agora este espaço na cidade me deixa muito satisfeito", disse.
Já o estudante Leandro Oliveira, de 23 anos, disse que o local se transformou em pouco tempo no principal ponto da cidade para a prática da pesca esportiva. "Confesso que fiquei surpreso quando estive aqui pela primeira vez. A gente sentia falta de um local tranquilo para poder pescar e conversar com os amigos curtindo uma bela vista. O Espigão Costeiro oferece tudo isso", disse.
Outros elogios ao Espigão Costeiro também foram feitos por praticantes da pesca noturna. "A estrutura ficou muito boa, é possível armar as varas para aguardar o peixe morder a isca. Dependendo de como está o mar, dá para ficar aqui até perto da meia-noite e, quem sabe, pegar muitos peixes", disse o também estudante Fábio Mello.
 

Maranhão tem 4º maior PIB Industrial do Nordeste e o 17º do Brasil.

Maranhão tem 4º maior PIB Industrial do Nordeste


industA Confederação Nacional da Indústria (CNI) lançou na manhã desta quinta-feira (6) o Perfil da Indústria nos Estados. O lançamento do estudo aconteceu durante o Encontro Nacional da Indústria 2014 (Enai 2014).
O levantamento mostra que o a indústria brasileira está se desconcentrando desde o início do século XXI e que o Produto Interno Bruto (PIB) Industrial do Maranhão chegou a R$ 8,2 bilhões em 2011, o que corresponde o 4º maior PIB Industrial do Nordeste e o 17º do Brasil.
Ainda de acordo com o estudo da CNI, cerca de 110 mil trabalhadores são empregados na indústria maranhense, o que corresponde a 0,9% da força de trabalho da indústria brasileira e que o setor recolheu R$ 780 milhões em Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no estado, o que responde a 16,5% da arrecadação estadual com este imposto.
“Este estudo mostra a importância do setor para economia maranhense e ainda há muito espaço para crescimento, até porque este estudo leva em conta dados do PIB de 2011, que ainda não considera o impacto da entrada em operação de novos segmentos como papel e celulose e geração de energia eólica”, comentou o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema), Edilson Baldez das Neves.
(As informações são da Fiema)
 
Ranking do PIB Industrial do Nordeste
 
01 - Bahia
02 - Pernambuco
03 - Ceará
04 - Maranhão
05 - Rio Grande do Norte
06 - Paraiba
07 - Sergipe
08 - Alagoas
09 - Piauí

Maranhão tem R$ 8,2 bi de PIB Industrial

Estado é o 4º do NE e o 17º do país; dados são de 2011 e foram divulgados pela CNI no estudo Perfil da Indústria nos Estados.
 
Foto: Arquivo
Edílson Baldez diz que estudo mostra importância da indústria no MA
O Produto Interno Bruto (PIB) Industrial do Maranhão chegou a R$ 8,2 bilhões em 2011, o que corresponde ao 4º maior PIB Industrial do Nordeste e ao 17º do Brasil. Os dados foram divulgados ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), durante o lançamento do estudo Perfil da Indústria nos Estados, ocorrido no Encontro Nacional da Indústria 2014 (Enai 2014), em Brasília.
De acordo com o estudo da CNI, cerca de 110 mil trabalhadores são empregados na indústria maranhense, o que corresponde a 0,9% da força de trabalho da indústria brasileira e que o setor recolheu R$ 780 milhões em Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no estado, o que corresponde a 16,5% da arrecadação estadual com este imposto.
“Este estudo mostra a importância do setor para a economia maranhense e que ainda há muito espaço para crescimento, até porque este estudo leva em conta dados do PIB de 2011, que ainda não considera o impacto da entrada em operação de novos segmentos como papel e celulose e geração de energia eólica”, analisou o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema), Edílson Baldez das Neves.

Desconcentração - Uma das transformações reveladas pelo Perfil da Indústria nos Estados é de que a indústria brasileira está se descentralizando. Um dos dados que permitiu aos técnicos da CNI chegar a esta conclusão é a queda da participação de São Paulo no PIB Industrial Brasileiro.
Segundo o estudo, entre 2001 e 2011, São Paulo perdeu 7,7 pontos percentuais de participação no PIB industrial. Por outro lado, a participação dos estados localizados no Centro-Oeste, Norte e Nordeste tem aumentado.
Os dados mostram que, nos últimos 10 anos, tem havido aumento da industrialização fora de São Paulo. “A desconcentração industrial é positiva porque leva desenvolvimento para outros estados do país. Mais indústrias significam mais empregos de maior qualidade, salários mais elevados e distribuição de renda", comentou o gerente executivo de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca.

Expansão - Um dos bons exemplos deste fenômeno é o Maranhão. O PIB Industrial do estado tem se expandido na última década e, segundo o estudo, tem crescido a uma razão de 0,2 ponto percentual entre 2001 e 2011. Além disso, a indústria de produtos alimentícios foi o segmento industrial que mais ganhou participação, saltando de 9,1% em 2007 para 16% em 2011.
Ao somar os números da indústria de alimentos, com o da indústria metalúrgica, que representa 33% do setor, e com os da extração de minerais metálicos, que tem 11,7% de participação, é possível perceber que juntos estes segmentos representam 60,7% da indústria maranhense.

Maranhão é divulgado como polo de negócios
A apresentação de oportunidades de negócios mapeados pela Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema) fizeram com que o estande da entidade fosse um dos mais visitados do Encontro Nacional da Indústria 2014 (Enai 2014), ação promovida anualmente pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em Brasília.
Os industriais das delegações de outros estados puderam conhecer as vantagens de ter unidades fabris e de beneficiamento em segmentos como alimentos e bebidas, energia, papel e celulose, minero metalúrgico, agronegócios, mineração e sucroalcooleiro.
A principal forma de apresentação foi o Mapa de Oportunidades, onde eram apontadas as regiões do estado mais propícias para cada um dos segmentos industriais mapeados pela Fiema. Outro destaque da apresentação foi o sistema logístico existente no estado, hoje cruzado por sete rodovias federais e três ferrovias e atendido por um dos maiores complexos portuários do país. Industriais de vários estados se interessaram pelas condições logísticas e facilidades oferecidas para a instalação de novas unidades fabris.
Hoje a indústria maranhense movimenta mais de R$ 11 bilhões por ano, é formada por um grupo com cerca de 6.400 empresas, emprega mais de 106 mil trabalhadores e executivos e representa 17,5% do Produto Interno Bruto do estado. “Há várias oportunidades batendo à nossa porta, seja para atuar no mercado interno ou externo”, completou Baldez.

Números
110 mil Foi o total de trabalhadores empregados na indústria maranhense em 2011
0,9% Era quanto representavam os 110 mil trabalhadores no total de operários da indústria do país
R$ 780 mi Foi quanto arrecadou o setor em 2011 em ICMS no estado
16,5% Foi a quanto correspondeu o ICMS recolhido da indústria na arrecadação do imposto no Maranhão em 2011
 
 

 

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Stevie B: o rei do miami/freestyle está de volta a São Luís

Stevie B: o rei do miami/freestyle está de volta
   Ritmo que embalou as boates de São Luís nos anos 80 e 90 retorna com toda a força para a capital maranhense através de um dos maiores nomes do estilo: Stevie B.



André Serra
   


 (Stevie B/ Divulgação)
Um dos pilares que ajudou a dar vida para a música eletrônica dos dias de hoje foi o estilo Freestyle – popularmente conhecido como Miami ou até mesmo balanço – que surgiu na década de 80 e marcou época com grandes clássicos. As músicas marcantes dessa vertente agitavam as pistas de boates ludovicenses como a Tucanu’s, Genesis, Millenium e Extravagance. O Freestyle, nome em inglês que significa estilo livre, é um gênero musical nascido nos Estados Unidos nos anos 1980 e invadiu milhares de outros países, dentre eles o Brasil. A principal característica desse tipo de música é a mistura de outros estilos como Club, Dance Music, Blues, House Music, entre outros.

A época de maior efervescência do Miami passou, mas o carisma e energia do estilo são tão expressivos que até hoje é comum encontrar pessoas ouvindo clássicos como Just like the Wind, Another night, Spring Love, Dreaming of Love pelas ruas de São Luís. E para quem gosta das batidas contagiantes do Miami, poderá reviver os anos áureos em show especial, com um dos maiores intérpretes do ritmo, o lendário Stevie B.

Stevie fará o seu segundo show em São Luís do Maranhão, na Patrimônio Show (Centro Histórico), no dia 8 de novembro. O evento também contará com a participação especial dos DJ’s Mauro Dêjota, Mack e Gilberto. Sobre a idéia de estruturar um evento voltado para o público admirador do Freestyle, o produtor do evento Marcos Pop, comentou: “Dentre outras coisas, sou Dj a 25 anos, portanto toquei músicas do final da década de 80, passando pelos 90 indo até os dias atuais. Meu ritmo favorito sempre foi o freestyle/miami, mas infelizmente nos anos 90 não tínhamos poder aquisitivo nem meios de comunicação mais acessíveis para entrarmos em contato com os artistas e realizarmos os shows, além de empresários que nos apoiassem, pois o esse gênero sempre foi um tanto que descriminalizado pela elite aqui em São Luís. Com o surgimento da internet, esse canal tornou-se mais aberto, proporcionando contatos mais aprofundados com os cantores, e passamos nós mesmos a patrocinar os nossos eventos. Daí começamos a transformar os sonhos em realidade, trazendo shows como Stevie B, Tony Garcia e muitos que ainda estão por vir.”.

Apesar dos ídolos do Miami/Freestyle terem feito bastante sucesso nas décadas passadas isso não impede que os jovens dessa geração também sejam cativados pelo estilo. “Tenho filhos pré-adolescente (14,17) que curtem muito o ritmo, talvez por influência, além disso, o que me surpreende também são alguns DJ’s da nova geração participarem das festinhas e resenhas de freestyle, que acontecem com muita frequência na ilha. Mas realmente o que mais me chamou a atenção nesse sentido foi que no primeiro show do Stevie B aqui em São Luís pude observar muitos jovens participando, dançando, e cantando as músicas dele. Foi um sonho realizado, nem dava para acreditar”, relatou a produção do show.

A expectativa para a segunda apresentação de Stevie B, o rei do Miami, é bastante otimista. “A Casa (Patrimônio Show) tem sua capacidade máxima estimada em 3000 pessoas. Esperamos entre 2000-2500 presentes, no máximo, para que todos possam curtir o show sem transtornos, por conta disso a quantidade de ingressos disponíveis é limitada, para que não ocorra oversell (venda acima da capacidade).

Nesse novo show, além dos sucessos já conhecidos da década de 80/90 o Stevie interpretará algumas músicas inéditas do seu mais novo cd lançado esse ano. Dessa vez ele também virá acompanhado do seu Dj/produtor oficial.
 

Serviço:
O quê? Show do Stevie B, o rei do Miami/Freestyle
Quando? 8 de novembro (sábado)
Onde? Patrimônio Show
Quanto? Pista: R$30,00 / Camarote R$50,00 / Front: R$70,00

Itaqui é a nova fronteira para o crescimento da cabotagem no NE

Afirmação é do gerente de cabotagem da Aliança Navegação e Logística, Gustavo Costa, que ministrará palestra amanhã no IX Seminário Internacional.

A Aliança Navegação e Logística destacou o crescimento da navegação por cabotagem na região Nordeste, que, segundo a armadora, já concentra 33% dos seus negócios nesse tipo de modalidade. Para executivos da empresa, o Porto do Itaqui representa uma nova fronteira de crescimento da navegação entre os terminais portuários do Brasil e do Mercosul.
O transporte costa a costa no Nordeste do país será o tema da palestra, que será ministrada amanhã pelo gerente de cabotagem da Aliança Navegação e Logística, Gustavo Costa, na programação do IX Seminário Internacional de Logística, que começou hoje em Fortaleza (CE). "Os portos de Suape (em Pernambuco) e Pecém (no Ceará) destacam-se por suas maiores movimentações e o Porto de Itaqui pode ser considerado como a nova fronteira para o crescimento da cabotagem", afirmou Gustavo Costa.
No Porto do Itaqui, a navegação por cabotagem é um serviço que foi iniciado em 2011, com a linha regular do armador CMA CGM. Naquele ano, o terminal maranhense movimentou 1.182 TEUs (Twenty-foot Equivalent Unit, ou unidade padrão de 20 pés, em tradução livre do inglês). Em agosto de 2012, a Log-In inaugurou o serviço Costa-Norte, estabelecendo uma linha regular de cabotagem com frequência quinzenal em São Luís. Além do Porto do Itaqui (MA), o navio passa pelos portos de Vila do Conde (PA), Suape (PE) e Fortaleza (CE), conectando o Maranhão aos principais portos do Brasil e Mercosul.
No ano passado, o terminal maranhense passou a ter uma segunda linha regular de cabotagem do armador Aliança Navegação e Logística, que iniciou movimentando o alumínio produzido pelo consórcio Alumar e vem diversificando a gama de produtos movimentados. Em 2013, foram movimentados 10.781 TEUs no Porto do Itaqui.

Aliança - Fundada em 1950, a Aliança foi consolidando sua liderança no mercado brasileiro, passando a atuar em todos os continentes. Em 1998, a empresa foi adquirida pelo Grupo Oetker, também proprietário da Hamburg Süd, empresa alemã fundada em 1871. Com faturamento de R$ 3,3 bilhões em 2013, a Aliança Navegação e Logística tem atuação no segmento internacional e é líder no transporte de cabotagem. No ano passado, movimentou mais de 673 mil TEUs. Atualmente, opera regularmente em 17 portos nacionais e possui 12 escritórios próprios no Brasil.
No ano passado, a Aliança iniciou a reestruturação de sua frota de cabotagem com a compra de quatro navios com capacidade para 3.800 TEUs e 500 tomadas para contêineres refrigerados e dois navios com capacidade para 4.800 TEUs e 650 tomadas para carga reefer (contêiner isolado termicamente), com um investimento total de R$ 700 milhões. A renovação total da frota foi finalizada em meados de setembro. O intuito da Aliança foi atender à crescente demanda do mercado brasileiro e do Mercosul.
A empresa colocou em operação, em maio deste ano, o serviço de cabotagem especialmente desenvolvido para o setor de cargas de projeto. Para isso, afretou um navio do tipo multipropósito para carregar equipamentos com grandes dimensões e volumes, entre eles transformadores, reatores, turbinas, torres de transmissão, guindastes, geradores e pás eólicas. Nomeado de "Aliança Energia", o navio tem capacidade para transportar, aproximadamente, 19 mil toneladas de carga e é equipado com três guindastes, que juntos podem içar peças de até 800 toneladas.

Mais


Direcionado a toda a cadeia produtiva do setor logístico, o IX Seminário Internacional de Logística e Expolog - Feira Nacional de Logística começou hoje, em Fortaleza, com o objetivo de estimular as discussões e debates sobre comércio exterior e infraestrutura. O evento, que termina amanhã, prevê a consolidação de redes de relacionamentos, exposição de produtos, equipamentos e serviços, promovendo a difusão de novas tecnologias, lançamento de produtos e insumos, estreitando relações do setor no país, no exterior, entre fornecedores e usuários.

Países ateus têm menos problemas sociais

Qual o país com mais ateus no mundo?
             Escrito por             
       


Qual é o país com mais ateus no mundo? É a Suécia. Lá, 85% da população não tem nenhuma crença ou não acredita em Deus. Esse foi o resultado da pesquisa Ateísmo: Taxas e Padrões Contemporâneos, do sociólogo norte-americano Phil Zuckerman. Segundo ele, os suecos aprendem sobre cada uma das religiões na escola e são livres para escolher seguir ou não uma delas. E isso se repete na maioria dos países com alto índice de ateísmo. Vale lembrar que o estudo engloba ateus, agnósticos e não-crentes em Deus e o ranking é baseado na porcentagem populacional de cada país. Enquanto os ateus negam a existência de Deus, os agnósticos garantem não ser possível provar a existência divina. Crer ou não crer? - Os números da religião e do ateísmo no mundo
 
(1) Suécia: 85% - População: 8,9 milhões - Ateus: 7,6 milhões
(2) Vietnã: 81% - População: 82,6 milhões - Ateus: 66,9 milhões - O budismo e o taoísmo, religiões comuns por lá, são vistos como uma tradição, e não crença.
(3) Dinamarca: 80% - População: 5,4 milhões - Ateus: 4,3 milhões - Um levantamento da ONU aponta que países com boa taxa de alfabetização tendem a ser mais descrentes.
(4) Noruega: 72% - População:4,5 milhões - Ateus: 3,2 milhões
(5) Japão: 65% - População: 127 milhões - Ateus: 82 milhões - Em 2008, o pesquisador britânico Richard Lynn concluiu que países com alto QI são mais ateus. É o caso da população japonesa, que mantém a média 105 - uma das mais altas já registradas.
(6) República Tcheca: 61% - População: 10 milhões - Ateus: 6,2 milhões
(7) Finlândia: 60% - População: 5,2 milhões - Ateus: 3,1 milhões
(8) França: 54% - População: 60,4 milhões - Ateus: 32,6 milhões
(9) Coreia do Sul: 52% - População: 48,5 milhões - Ateus: 25,2 milhões

 
 
*Países com maior número de ateus
181,8 milhões de chineses são ateus - A China ocupa o 36º lugar no ranking de países com mais percentual de ateus (14%). Em números absolutos, porém, é onde vivem mais pessoas sem crença. Japão: 82 milhões. Rússia: 69 milhões. Vietnã: 66 milhões. Alemanha: 40 milhões. França: 32 milhões. Eua: 26,8 milhões. Inglaterra: 26,5 milhões. Coreia do Sul: 25 milhões.
 
*Os mais fiéis - Países cuja maioria da população tem alguma crença:
Itália: 90% (53 milhões) - Filipinas: 80% (75 milhões) - México: 76% (96 milhões) - Brasil: 73% (137 milhões)
 
*Ateus no mundo - 749,2 milhões (11% da população mundial)
*Na ciência - 50% dos cientistas têm alguma religiosidade. Entre eles, 36% acreditam em Deus. Ateus: 10%. Cristãos: 2%.
 
Fonte: http://mundoestranho.abril.com.br/mater ... s-no-mundo
 
Achei alguns dados desta pesquisa muito interessantes:
 
(1) Excetuando-se o Vietnã (onde o Budismo e o taoismo são considerados uma tradição e não uma crença) países com boa taxa de alfabetização tendem a ser mais descrentes.
(2) Os países com melhores índices de desenvolvimento humano são os que tem maior número de ateus e agnósticos (Suécia, Dinamarca, Noruega, França, etc)
(3) O pesquisador britânico Richard Lynn concluiu que países com alto QI são mais ateus. É o caso da população japonesa, que mantém a média 105 - uma das mais altas já registradas.
(4) Apenas 36% dos cientistas acreditam em Deus e a metade (50%) não tem religiosidade alguma.
Diante das estatísticas apresentadas sobre os países que tem maior número de ateus, fiquei imaginando se nosso país está mais para Suécia, Dinamarca, Noruega, Japão, Finlândia, França, países com grande número de ateus ou estamos mais para Índia, Paquistão, Irã, Afeganistão, Sudão, Paraguai, Nigéria, Etiópia, países com pouquíssimos ateus? Eu peguei uma estatística de probabilidades que se encontra no livro "Deus, um Delírio" de Richard Dawkins, na página 62 e 63 onde há 7 probabilidades. Acho que ela engloba bem todas as possibilidades. Gostaria de saber em qual das 7 opções vocês se encontram? Qual representa melhor seu ponto de vista atual sobre a existência de Deus?
 
1- Teísta convicto. Probabilidade de 100% de que Deus existe. Nas palavras de C. G. Jung, "Eu não acredito, eu sei".
 
2- Probabilidade muito alta, mas que não chega aos 100%. Teísta de facto. "Não tenho como saber com certeza, mas acredito fortemente em Deus e levo minha vida na pressuposição de que ele está lá."
 
3- Maior que 50%, mas não muito alta. Tecnicamente agnóstico, mas com uma tendência ao teísmo. "Tenho muitas incertezas, mas estou inclinado a acreditar em Deus."
 
4- Exatamente 50%. Agnóstico completamente imparcial. "A existência e a inexistência de Deus têm probabilidades exatamente iguais."
 
5- Inferior a 50%, mas não muito baixa. Tecnicamente agnóstico, mas com uma tendência ao ateísmo. "Não sei se Deus existe, mas estou inclinado a não acreditar."
 
6- Probabilidade muito baixa, mas que não chega a zero. Ateu de facto. "Não tenho como saber com certeza, mas acho que Deus é muito improvável e levo minha vida na pressuposição de que ele não está lá."
 
7- Ateu convicto. "Sei que Deus não existe, com a mesma convicção com que Jung 'sabe' que ele existe."

Participe de nossa enquete. Sua opinião é muito importante para nos!
Clique aqui e de seu voto.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Secretário Ricardo Murad revela plano de transferir atuais unidades de saúde para outros locais com estruturas mais modernas

Secretário Ricardo Murad revela plano de fechar atuais unidades de saúde 
    As unidades são Benedito Leite, Juvêncio Matos e Getúlio Vargas para oferecer novas estruturas modernas     

Diego Emir
Publicação: 04/11/2014 09:35

Três tradicionais casas de saúde devem fechar as portas em São Luís. Pelo menos esse é o planejamento da Secretaria Estadual de Saúde. A ideia do atual secretário Ricardo Murad é oferecer a população de São Luís, novas unidades, proporcionando melhora no atendimento e conforto aos usuários. Por isso a partir do final de novembro deste ano, a Maternidade Benedito Leite na Rua das Cajazeiras fechará suas portas e assim deve ocorrer com o Hospital Juvêncio Matos e Getúlio Vargas, só que estes em prazo maior, dois anos.

Todos estes hospitais vão passar a funcionar em estruturas modernas. A Benedito Leite por exemplo terá sua nova unidade no bairro da Cohab, a qual deve ficar pronto no fim de novembro e será entregue ainda pela governadora Roseana Sarney. Já o Juvêncio Matos e o Getúlio Vargas terão seus leitos deslocados para o anexo que está sendo construído no Hospital Carlos Macieira.

O secretário Ricardo Murad explica, que a medida está sendo tomada, pois todos os atuais prédios que abrigam os hospitais citados são muito antigos e podem ser considerados obsoletos. “Não existe mais sentido utilizar unidades extremamente antigas, por isso estamos deixando recursos para finalização da construção do anexo Carlos Macieira e entregaremos a nova Benedito Leite”, informou.

Murad explica que não vai haver prejuízo nenhum para população, pelo contrário, uma oferta maior de leitos será oferecida. Para se ter ideia no anexo do Carlos Macieira vão funcionar 200 leitos, dos quais 100 vão ser destinados para pediatria e outros 100 para tratamento de doenças infecciosas, que é o foco principal dos pacientes do Getúlio Vargas. Além disso, será implantada também a UTI pediátrica, a qual será ampliada e terá uma estrutura maior que do Materno Infantil, principal hospital para crianças no estado, atualmente.

O investimento nessa construção de nova unidade do Carlos Macieira está avaliada em R$52 milhões e tem o prazo para ficar pronta em 2016. Ricardo Murad fez questão de lembrar que deixará a secretaria municipal de Saúde com dinheiro em caixa para conclusão da obra.
A secretaria estadual de Saúde foi procurada para fornecer dados atuais de quantos atendimentos são realizadas nas unidades hospitalares e uma estimativa de quantos passarão a ocorrer, porém não houve retorno por parte da assessoria de comunicação do órgão.

Novo governo

A reportagem de O Imparcial procurou Marcos Pacheco, indicado para ocupar a secretaria de Saúde no governo Flávio Dino. O médico foi questionado sobre o projeto que está sendo executado pelo atual governo Roseana e como será a continuidade durante a sua gestão.

De forma ponderada, Pacheco informou que tem primeiro que tomar conhecimento do que está sendo feito e isso ainda não ocorreu no momento, pois os documentos da transição do setor da saúde ainda não foram entregues a ele.

“Preciso sentar com a equipe atual da secretaria de saúde, de forma serena, para que possamos discutir esse planejamento. Eu prefiro aguardar. É uma possibilidade que isso possa ocorrer”, declarou.

Marcos Pacheco informou ainda que tratará a saúde do Maranhão de forma técnica, por isso qualquer posicionamento contra ou favor da atual medida planejada por Ricardo Murad seria uma irresponsabilidade.

No entanto ele deixou claro que em sua gestão, “toda criança será assistida, toda gestante acolhida e todo idoso bem cuidado”, completou Marcos Pacheco.
 

terça-feira, 28 de outubro de 2014

História do Porto do Itaqui será destaque na programação da Felis

Sala Nosso Porto, inaugurada em maio deste ano no Convento das Mercês, poderá ser visitada durante a Feira do Livro de São Luís, que começa sexta.
 
Foto: Arquivo
Imagem do Porto do Itaqui em 1965
 
A programação da 8ª Feira do Livro de São Luís, que será realizada de 31 de outubro a 9 de novembro no Convento das Mercês, terá como um dos destaques a Sala Nosso Porto, que mostra um pouco da história do Porto do Itaqui. O espaço foi aberto em maio deste ano, com uma mostra permanente, resultado de uma parceria entre a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) e a Fundação da Memória Republicana Brasileira (FMRB).
Com a utilização de recursos tecnológicos, como o vídeo Visita em 3D ao Porto e também fotografias dispostas em totens, o público pode conhecer um pouco da construção, desenvolvimento e expansão do Porto do Itaqui.

Recepção - Ao chegar à Sala Nosso Porto do Itaqui, uma recepção muito especial. O capitão Gregório, personagem do vídeo em 3D, apresentará um pouco do dia a dia no Itaqui. O que envolve, por exemplo, as operações de atracação de navios e os termos técnicos comuns na área portuária e um pouco estranhos ou com outros significados na linguagem, como práticos, berços, calado, rebocadores, contêineres, entre outros.
Do início da construção do Itaqui, na década de 60 até a entrega do berço 108, previsto para o final de 2014, quase 50 anos se passaram. O porto maranhense expandiu e hoje movimenta cerca de 15 milhões de toneladas/ano em seus sete berços multiusos. A Emap, criada em 2001 para administrar o Itaqui, aposta na expansão da infraestrutura portuária, na capacidade de execução na área operacional, no desenvolvimento de pessoas e na eficiência multimodal do porto para a expansão dos negócios. Atualmente, o porto maranhense oferece solução logística para os empreendimentos que se instalam no estado, alcançando volumes e quantidades nunca registrados.
 
Mais

O dia a dia no Itaqui, conduzido por uma gestão por resultados, levou o porto a bater recorde histórico de movimentação de cargas. Em 2012, fechou com 15,7 milhões de toneladas, sendo o porto público que mais cresceu, 12,8%, enquanto a média nacional não chegou a 3%. Em 2013, marcas históricas foram alcançadas, como o quantitativo para a soja, o fertilizante, o carvão, o etanol, o cobre e o clínquer. O tempo de espera médio dos navios para atracar no porto maranhense foi reduzido em 59%. A receita da Emap aumentou em 56% de 2011 a 2013.

Leia também A epopeia do Itaqui

Petrobras receberá propostas para licitação na Refinaria Premium I

Propostas a serem recebidas no dia 10 de dezembro serão para construção e operação dos sistemas de tratamento de água industrial e de efluentes.

Foto: Flora Dolores
Placa sinaliza área onde se instalará a Refinaria
Embora não queira comentar o andamento de licitação para a Refinaria Premium I, em Bacabeira, a Petrobras deve receber no dia 10 de dezembro as propostas para a construção e operação dos sistemas de tratamento de água industrial e de efluentes do empreendimento, no Maranhão.
O investimento estimado na construção e operação dos sistemas de tratamento de água industrial e de efluentes é de R$ 1,2 bilhão. Durante o processo, foram convidadas a participar da licitação as empresas GE, Siemens, Odebrecht Ambiental e as francesas Degrémont e Veolia.
No entanto, devem entregar propostas dois consórcios, um formado pela Odebrecht Ambiental com a francesa especializada em tecnologia de águas Veolia e outro pelo grupo JBS e a empresa brasileira de sistemas de controle ambiental Enfil.
A participação do grupo JBS (Friboi) surpreendeu o mercado, pois até então sua atuação era voltada para a atividade de carnes e celulose. A empresa brasileira entrará no negócio com as garantias enquanto o grupo francês Enfil com a operação e construção de sistemas para água.
A Refinaria Premium I passou por um longo período de avaliação, pois quando o projeto foi lançado pela Petrobras estava orçado em R$ 40 bilhões. Esse valor de investimento, porém, foi reavaliado e submetido a métricas internacionais.
Com isso, então, o empreendimento foi redesenhado no exterior, para reduzir custos e se tornar mais viável. Este ano, mudou da condição de projeto em avaliação passando a integrar o novo Plano de Negócios e Gestão da Petrobras na carteira de processo em licitação, assim como a Premium II, no Ceará.
A partir de março deste ano, foram emitidos convites ao mercado referentes às unidades de geração de hidrogênio e de tratamento de água e efluentes. A previsão de entrada em operação da primeira etapa da Premium I é 2018.
Em sua primeira fase, terá capacidade para produzir 300 mil barris/dia. Após a conclusão das obras, serão 600 mil barris/dia. A Refinaria Premium I produzirá óleo diesel, querosene de aviação (QAV), nafta petroquímica, GLP (gás de cozinha), bunker (combustível para navios) e coque. A intenção da Petrobras é que a produção do empreendimento atenda ao mercado nacional.

Mais


A Petrobras e a Sinopec assinaram, em junho do ano passado, Carta de Intenções com o objetivo de desenvolver estudo conjunto para o projeto da Refinaria Premium I e a possível viabilidade de criação de uma joint venture entre as empresas, para implementação do empreendimento em Bacabeira.